segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Halloween e as casas mal assombradas do Rio de Janeiro


Neste 31 de outubro, em que muitas culturas — especialmente os norte-americanos — comemoram o Dia de Halloween, ou o Dia das Bruxas, o  G1, portal de notícias da Globo, publica uma matéria especial sobre "Casas mal assombradas do Rio" (no caso, Rio de Janeiro). 

Trata-se de uma copilação de estórias cuja chamada principal é: "Crianças atrás de doces, fantasias de monstros, zumbis e vampiros, e maquiagens sangrentas costumam rondar o dia 31 de outubro, principalmente em países de cultura inglesa. Mas há lugares do Rio em que o clima do Dia das Bruxas – ou Halloween – se faz misteriosamente presente o ano inteiro e vai além das brincadeiras. O G1 foi atrás desses causos de assombração que, verdade ou não, já fazem parte da cidade.".

É, fora de dúvida, uma chamada sensacionalista, prática típica de nossa cultura a de brincar com o sobrenatural — ainda que, meio que levando "a sério". De qualquer maneira, também vale como ensejo para refletirmos sobre as questões espirituais.

A propósito, nunca é demais lembrar que O Livro dos Médiuns, de Allan Kardec, é o melhor compêndio para estudo a respeito do mecanismo mediúnico, da natureza dos fenômenos espirituais (ditos "sobrenaturais"), inclusive sobre casos de casas mal assombradas, fantasmas e coisas do gênero.


sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Espiritismo e o feriado do Dia de Finados (2 de novembro)



Em vista da aproximação de mais um feriado de Dia de Finados, 2 de novembro, reunimos aqui uma coletânea de informações e ensinamentos, para nossa reflexão, à luz da Doutrina Espírita.

Comecemos com o excelente apanhado postado no Blog do Ismael em 2 de novembro de 2013:

Neste 2 de novembro, como soe acontecer todos os anos, vivemos um feriado cuja motivação é a de se reverenciar os mortos.

A tradição é muito antiga e é o dia onde, em maior número, as pessoas se dispõem à visitação das necrópoles. Nesta ocasião, o Poder Público e também empresas privadas que administram cemitérios, até mesmo por pressão da comunidade, buscam dar mais atenção à conservação de túmulos, promover limpeza, pintura e outras providências reclamadas e que nunca passam desapercebidas.

Embora não façamos visitas tão freqüentes à necrópole da cidade, vez por outra adentramos ao cemitério para dar uma olhada nos túmulos de parentes, amigos, vultos do movimento espírita e cidadãos que conhecemos.

Sem querer fazer apologia à visitação de cemitérios, temos a lamentar certos descasos que testemunhamos na contemplação de alguns desses locais. Muitas sepulturas deteriorados, diversas sem vestígio de limpeza e um sem número de outras que não trazem qualquer referência ao ser humano cujo corpo decomposto ali se encontra depositado. É triste esse abandono que vale por atestado de falta de cidadania e de respeito àqueles que nos antecederam na viagem de retorno à pátria dos imortais. Não devemos perder de vista a indisfarçável agressão ao meio ambiente que é, ou devia ser, uma preocupação a ser considerada por todos nós.


O Espírita e o respeito aos mortos

Na nossa maneira de ver os cuidados que acima relatamos devem ser comuns a espíritas, católicos, budistas, evangélicos, judeus, e a cidadãos de qualquer outra crença ou seita religiosa.

Como espíritas sabemos perfeitamente que o espírito que animou o corpo, já reduzido a pó e cujos restos se encontram na intimidade de um tumulo, ali não permanece jungido a espera de visitação. Mas isto não significa que a alma desencarnada seja insensível às almas amigas que buscam reverenciá-las ainda que à beira de uma tumba da qual não estão fazendo efetivamente a sua morada.

Certamente, vão se aproximar dos visitantes, recolher as preces sinceras que partem dos corações sensíveis, vão abraçá-las, encorajá-las, chorar juntas, oscularem-se, consolarem-se.

É bem verdade que os estados espirituais não são os mesmos, as reações não são iguais e as vibrações podem não ser das melhores. Mas a lembrança, com certeza, nunca vai ser pior que o abandono.

Em O Livro dos Espíritos na questão 320 quando Allan Kardec pergunta se os Espíritos se sensibilizam quando lembrados por aqueles que lhe foram caros na Terra respondem: “Muito mais do que podeis supor. Se são felizes, esse fato lhes aumenta a felicidade. Se são desgraçados, serve-lhes de lenitivo”.

Nas perguntas seguintes sobre o tema aduzem os espíritos:

“Os espíritos acodem nesse dia ao chamado dos que na Terra lhes dirigem seus pensamentos, como o fazem noutro dia qualquer.” (Q. 321).

“Nesse dia, em maior número se reúnem nas necrópoles, porque então também é maior, em tais lugares, o das pessoas que os chamam pelo pensamento. Porém, cada Espírito vai lá somente pelos seus amigos e não pela multidão dos indiferentes.” (Q. 321-a)

“Aí comparecem sob a forma que tinham quando encarnados”. (Q. 321-b)

Na questão 322 Allan Kardec questiona como se comportam aqueles esquecidos, cujos túmulos ninguém vai visitar, e se experimentam algum pesar por verem que nenhum amigo se lembra dele, ao que os espíritos respondem:

“Que lhes importa a Terra? Só pelo coração nos achamos a ela presos. Desde que ai ninguém mais lhe vota afeição, nada mais prende a esse planeta o Espírito, que tem para si o Universo inteiro.”

Prosseguindo até a questão 329 de O Livro dos Espíritos, onde Allan Kardec ouve os espíritos sobre a Comemoração dos Mortos e Funerais, chegamos à conclusão de que devemos respeitar aqueles que ainda tem esse costume, as vezes muito freqüentes, aproveitando o ensejo, quando possível, para falar-lhes respeitosamente sobre a imortalidade da alma, sobre a proximidade dos desencarnados com os que aqui permanecem e sobre a possibilidade concreta de ajudarem-se mutuamente.

Ressaltar sobre o valor da prece que deve ser exercitada em beneficio dos desencarnados, não exclusivamente em cemitérios, mas no nosso dia a dia através do pensamento de gratidão adornado por gestos altruístas que lhes possam agradar.

O que queremos dizer nestas singelas palavras é que não devemos desmerecer aqueles que ainda precisam dessa manifestação exterior como forma de validar ou de materializar esse sentimento de apreço e gratidão àqueles que já partiram e que em seus corações deixaram a marca indelével da saudade.

Embora no meio espírita seja prática quotidiana orar por encarnados e desencarnados, respeitemos esse costume que enseja a aproximação entre aqueles que se amam nas duas humanidades que se entrelaçam.



A divulgação espírita nos cemitérios

Algumas entidades e órgãos espíritas aproveitam o Dia de Finados para fazer distribuição de mensagens espíritas nas portas dos cemitérios. Um dos pioneiros nesse forma de divulgação foi Cairbar Schutel que fazia questão de se deixar fotografar junto das sepulturas para atestar sua convicção na imortalidade da alma.

Cairbar Schutel com companheiros espíritas distribuindo mensagens no cemitério de Matão, SP Foto: O Clarim


Túmulo de Allan Kardec no Pére Lachaise – o mais visitado
O Cemitério Pére Lachaise, na cidade de Paris, França, é considerado um dos principais do mundo. Ali os visitantes podem adquirir um guia turístico do cemitério e sair descobrindo as sepulturas dos famosos ali inumados. Os espíritas que visitam aquela necrópole tem como uma das metas conhecer o tumulo do codificador do Espiritismo Allan Kardec. Também no Pére Lachaise estão as sepulturas dos vultos espíritas Gabriel Delanne e Pierre-Gaëtan Leymarie.

Turista orando no sempre florido túmulo de Allan Kardec. Cemitério Pére Lachaise, Paris, França. Foto Ismael Gobbo

Túmulo de Jesus
Embora incerto o local da sepultura de Jesus dois locais reivindicam essa possibilidade. Um deles se encontra no interior da  Igreja do Santo Sepulcro em Jerusalém. Dentro de uma pequena capela se encontra um singelo sarcófago de mármore branco que simbolicamente representa o túmulo do Mestre. 
O outro local se situa num belo jardim chamado “Jardim da Tumba”, fora das muralhas de Jerusalém, pouco acima da Porta de Damasco. Ali, um túmulo escavado na rocha, possivelmente do século I, é associado àquele de propriedade de José de Arimatéia, cedido para que Jesus fosse sepultado.

Visitantes adentram a pequena capela no interior da Igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém, para ver o simbólico túmulo de Jesus - Foto Ismael Gobbo
Jardim da Tumba. O túmulo ao fundo é divulgado como sendo o de Jesus. Jerusalém, Israel - Foto Ismael Gobbo

Também salutares ponderações podem ser colhidas na edição 155 do programa Transição, com Suely Caldas Schubert:


Para completar, uma mensagem de Emmanuel, contida no livro "Na Era do Espírito", psicografia de Francisco Cândido Xavier e José Herculano Pires:



quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Videopalestra "Por um mundo sem reclamação" com Anete Guimarães


Em mais uma excelente videopalestra, a já consagrada palestrante espírita Anete Guimarães traz agora uma nova abordagem sobre o modo como as pessoas ditas fracassadas, comuns e bem-sucedidas encaram os problemas da vida, fundamentada numa pesquisa científica, com o acréscimo dos conhecimentos espíritas.

Confira pela janela a seguir:


Aproveite e consulte a agenda de eventos espíritas clicando aqui.

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

O projeto"Revolução Espírita" segundo Paulo Henrique de Figueiredo


"O Espiritismo, a doutrina kardecista, foi um projeto de revolução" — essa a conclusão do pesquisador espírita Paulo Henrique de Figueiredo, autor do livro "Revolução Espírita: a teoria esquecida de Allan Kardec".

O autor, propõe uma revivescência desse espírito, conforme vemos na sinopse de seu livro:

"Que teria motivado um intelectual francês do século 19 a reconhecer, na teoria espírita, o potencial de transformar o mundo? No entanto, esse entusiasmo não corresponde ao que hoje se divulga. Sejam opositores ou simpatizantes, adeptos ou divulgadores, todos desconhecem o verdadeiro espiritismo. A revolução espírita está esquecida. Após décadas de pesquisa em fontes primárias e documentos inéditos, acessando obras, jornais, revistas e folhetos do século 19, além das bases digitais de bibliotecas de todo o mundo, chegou a hora de resgatar a doutrina espírita original. Com a capacidade de superar as enfermidades morais, atualíssimo e liberal, o espiritismo tal como foi proposto por Allan Kardec é a solução definitiva para a crise moral da humanidade."

O paulistano e administrador de empresas Paulo Henrique de Fegueiredo é espírita de berço e pesquisador do Mesmerismo (Magnetismo Animal) e da Doutrina Espírita — e ele faz questão de lembrar que estas são duas ciências irmãs, em apoio à definição de Kardec. Não despropositadamente, a obra literária do autor foi "Mesmer: a ciência negada e os textos escondidos".

Em seu livro, o autor faz um apanhado de duas décadas de estudo e pesquisa espírita, resgatando o sentido e objetivo do Espiritismo, nos moldes kardecistas, que ele considera hoje bem esquecidos.

Muito bem alicerçado em documentos colhidos em fontes seguras, em alguns aspectos o livro praticamente reescreve a História do Espiritismo, como no caso em que alude a um movimento acadêmico anterior às revelações kardequianas, e que, segundo o autor, foi preponderante para o surgimento do Espiritismo e sua rápida aceitação e propagação: o Espiritualismo Racional, encabeçado por prestigiados pensadores, tais como Royer-Collard, Maine de Biran, Victor Cousin e Theodore Jouffroy.

Paulo Henrique de Figueiredo
Quando para repensar o atual movimento espírita, em face das expectativas de Kardec, o autor invoca a posição crítica e assertiva do memorável filósofo José Herculano Pires. O recado é objetivo: estamos longe de cumprir a programação que a espiritualidade nos propôs. Nesse sentido, o livro é também um convite para repensarmos como estamos lidando com a revelação espírita.

Em suma, esta obra é de grande valia e merece muita atenção dos dirigentes de instituições espíritas e dos pensadores em geral.

Além destas publicações, Paulo Henrique de Figueiredo mantém o blog Revolução Espírita, que, aliás, traz postagens interessantíssimas sobre o desenvolvimento da nossa doutrina, com informações históricas inéditas para grande parte dos próprios espíritas, por exemplo, o artigo "A infância de Kardec: curiosidades" (clique aqui para ver).


À venda nas principais livrarias e online pela Editora Candeia.


terça-feira, 25 de outubro de 2016

Calendário Histórico Espírita

O Portal Luz Espírita está compondo mais um trabalho de interesse da promoção do Espiritismo: o Calendário Histórico Espírita.

O Calendário Histórico Espírita é composto de um bando de dados, que registra os principais eventos históricos e os publica diariamente, de acordo com a respectiva data.

Entre os registros estão acontecimentos históricos (por exemplo, o lançamento de O Livro dos Espíritos, Auto de Fé de Barcelona, etc.),  aniversário de nascimento de grandes personalidades espíritas ou envolvida em eventos relacionados com a nossa doutrina (por exemplo, Mesmer, Allan Kardec, Chico Xavier, etc.) e assim por diante.



A exibição dos registros diários estão em duas partes do nosso site: na página inicial, logo abaixo do quadro de Notas e Notícias (ver imagem acima); na página da Enciclopédia Espírita Online, logo abaixo da descrição da enciclopédia (ver imagem a seguir).



Neste 25 de outubro, por exemplo, o calendário destaca o lançamento da música "Luz Espírita", composição de Ery Lopes e interpretação de Elizabete Lacerda, composta especialmente para homenagear nosso Portal Luz Espírita.



Compartilhe!

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

terça-feira, 18 de outubro de 2016

O Espiritismo é ecumênico, mas não sincrético - vídeo da série "Espiritismo sem misticismo"


No segundo vídeo da série "Espiritismo sem misticismo", o título O Espiritismo é ecumênico, mas não é sincrético já diz bem a temática central apresentada por Ery Lopes (membro da direção da Fraternidade Luz Espírita).

O ensaio conceitua o que é ecumenismo e sincretismo, analisando suas relações com as doutrinas espiritualistas e, especialmente, o Espiritismo.

Confira pela janela a seguir:


No vídeo de lançamento da série, a abordagem central acompanha a indagação-título: O Espiritismo serve para você? (clique aqui para assistir)

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Livro "Do Outro Lado - A História do Sobrenatural e do Espiritismo" faz um retrato do surgimento da Doutrina Espírita no Brasil

Por que, apesar de toda as perseguições (e não foram poucas), o Espiritismo se disseminou no Brasil tão forte e rapidamente?
Por que a doutrina de Allan Kardec ganhou características tão pitorescas quanto as que marcam o Movimento Espírita nacional desde o desembarque das primeiras obras do codificador?
Que consequências diretas a Doutrina Espirita trouxe para o povo brasileiro?

Essas e outras questões não menos interessantes compõem o enredo desenvolvido pela historiadora e escritora Mary Del Priore em seu mais novo livro: "Do Outro Lado - A História do sobrenatural e do Espiritismo", lançado pela Editora Planeta do Brasil.

A sinopse da obra é esta:

O povo brasileiro sempre acreditou em tudo um pouco – doutrinas católicas se misturam há tempos a crenças africanas ou europeias. Mas a verdade é que todas elas passam, de algum modo, pela crença no além, no “outro mundo”, no sobrenatural. E foi pensando nisso que a historiadora Mary del Priore resolveu trazer ao leitor mais um de seus livros que investigam aspectos essenciais – e peculiares – de nossa sociedade. Em “Do Outro Lado - A História do Sobrenatural e do Espiritismo”, a autora trata de que forma nossos antepassados lidavam com esse mundo dos espíritos. Focando sobretudo no desenvolvimento do espiritismo, criado por Allan Kardec e assimilado por muitos intelectuais brasileiros no século XIX, ela também aborda fenômenos bastante populares na época, como o magnetismo, o sonambulismo, as “mesas volantes” e uma série de outras formas de entrar em contato com o mundo sobrenatural e com aqueles que já partiram. Cartomantes, curandeiros, endemoninhadas e exorcistas também merecem destaque nesta obra, bem como seus muitos inimigos, entre eles a Igreja Católica e alguns veículos da imprensa que buscavam a todo custo desautorizar – e muitas vezes satirizar – essa crença em espíritos. Com um caderno de fotos recheado de interessantes imagens do período, “Do outro lado” é uma narrativa instigante sobre um assunto que chama a atenção tanto daqueles que creem em tudo quanto daqueles que não creem em nada, mas que desejam acima de tudo conhecer cada vez mais um pouco da história de nosso país.

A carioca Mary Del Priore é especialista em História do Brasil. Ela concluiu o doutorado em História Social na Universidade de São Paulo e pós-doutorado na Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales, na França. Lecionou História em várias universidades brasileiras, tais como a Universidade de São Paulo, a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, e a Universidade Salgado de Oliveira. É colaboradora de periódicos nacionais e internacionais, científicos ou não. Escreveu, organizou ou colaborou em várias publicações, ganhando, com isso, títulos como o Prêmio Casa Grande & Senzala, outorgado pela Fundação Joaquim Nabuco e o Prêmio Jabuti.

"Do Outro Lado - A História do Sobrenatural e do Espiritismo" é uma obra historiográfica, não um livro de caráter doutrinário. Seu texto é visto com olhos de uma historiadora, não de uma ativista espírita. Não faz apologia ao Espiritismo, bem como não pretende deteriorá-lo. Contém fatos interessantes e embasados em documentos, mas também contém definições particulares da autora, nem sempre fundamentadas nos conceitos básicos do kardecismo.

Em suma, é mais uma obra para a apreciação de nossas convicções. Sem a necessidade — e a fraqueza — de tomá-lo ao pé da letra, sem dúvidas esse título é mais uma boa leitura para todos nós.

À venda nas principais livrarias online.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

"Paulo e Estêvão" na telona


A produção da TV Mundo Maior anunciou o começa das gravações do filme-documentário "Paulo e Estêvão", baseado no livro homônimo ditado por Emmanuel, pela psicografia de Chico Xavier.

"Paulo e Estêvão", cujo subtítulo é A História do Cristianismo Primitivo segundo o Espiritismo, será dirigido por André Marouço, diretor da TV Mundo Maior, e terá a orientação do respeitado estudioso espírita Severino Celestino.

Esse livro, publicado originalmente pela FEB - Federação Espírita Brasileira, em 1941, é considerado a obra-prima de Emmanuel. Esta obra é apresentada como "Episódios Históricos do Cristianismo Primitivo", que conta o período histórico a partir do ano de 34 d.C. (um ano após a morte de Jesus Cristo) até 67 d.C. (provável ano do falecimento de Paulo de Tarso). O livro traz revelações históricas nunca antes mencionadas, seguindo rigorosamente a ordem cronológica do livro bíblico Atos dos Apóstolos, dando também um sentido mais profundo para as citações pessoais de Paulo em suas Epístolas.

Clique aqui para acessar o livro "Paulo e Estêvão".

Assista, pela janela adiante, a um vídeo promocional do filme:


Clique aqui e confira a fan page da produção no Facebook.

Codificação Espírita numa linguagem simplificada — agora em ePub


Como é bom ler e reler Kardec, não?
Melhor ainda quando a leitura se encaixa bem na nossa linguagem, certo?

Pois bem, nossos amigos, que acompanham os trabalhos da Luz Espírita, já conhecem a versão Numa Linguagem Simplificada, por Louis Neilmoris, que traduz a codificação kardequiana de forma mais acessível e correspondente ao nosso dia a dia. A novidade, porém, é a combinação entre essa contextualização e a tecnologia: agora, a coleção das obras básicas do Espiritismo estão disponibilizadas também em arquivos EPUB.

Livros em formato EPUB são estruturados como arquivos de web, como páginas de internet. A grande vantagem dessa versão é a flexivbilização na hora de exibir seu conteúdo, que se ajusta de acordo com o tamanho da tela dos dispositivos. Assim, fica muito mais prático ler livros em EPUB em tablets, smartphones e qualquer outro meio de acesso.

Além disso, os aplicativos usados para abrir arquivos EPUB são recheados de funcionalidades úteis, por exemplo, aumentar o tamanho da letra e até reprodução de leitura eletrônica dos textos.


Há uma grande variedade de apps para EPUB, dentro os quais destacamos o UB — Universal Book Reader, distribuído gratuitamente no Google Play.

As edições em PDF continuam disponíveis para download.




Acesse agora mesmo a Sala de Leitura do nosso Portal ou utilize os links a seguir para acessar cada livro da Codificação Espírita:

Além das obras kardequianas, estamos trabalhando para publicar também em EPUB os demais títulos dispostos em PDF, além de novas obras.

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Grupo Veredas da Mediunidade


Formado na Capital paulista, o Grupo Veredas da Mediunidade é composto por uma fraternidade de médiuns ligados aos Espíritos da Colônia Recanto de Irmãos, que trabalham com o objetivo de trazer conteúdo mediúnico para a divulgação do Evangelho de Jesus Cristo e a Doutrina Espírita codificada por Allan Kardec. Seus trabalhos regularmente são publicados pelo blog Espiritismo Ativo (clique aqui para acessar).

A postagem mais recente traz uma mensagem do Espírito Laerte:

DOR E SOFRIMENTO: CAUSAS DAS AFLIÇÕES
Por que a dor?
Por que sofro?
São perguntas que muitos espíritas fazem, mas não deveriam fazer.
Já sabem as respostas.
O acúmulo de doençãos mentais nos trás dor e sofrimento, e consequentemente o aparecimento de doenças.
Sim, sabemos que há casos que acontece o contrário, doenças que causam dor e sofrimento, mas essas não levaremos para o após morte.
As doenças emocionais, devido ao nosso orgulho, vaidade, perdas ao próximo, ciúmes desregrado e a falta da prática do amor e caridade, são algumas das causas que nos trazem doenças emocionais que nos dão como consequencia dor e sofrimento.
O que fazer para eliminar ou aliviar essas dores?
Tudo está em nós, em nossa mundança, em fazer a reforma íntima sem sofrimento, em eliminar ou diminuir as causas.
Colocar em nosso dia-a-dia os ensinamentos de Jesus.
Se nesta encarnação conseguirmos diminuir uma das causas que nos fazem mal. Na próxima encarnação poderemos praticar e eliminar outras causa, até que possamos atingir a angelitude.
Jesus assim nos ensinou quando disse que poderíamos ser deuses e fazer muito mais do que ele.
Vamos dar o primeiro passo, ser espírita e se esforçar para se melhorar a cada dia.
     Laércio
     COLÔNIA RECANTO DE IRMÃOS
     (Mensagem psicografada pelo médium Ilson Forner em 01.10.16)


Para saber mais sobre a Colônia Recanto de Irmãos,  ver o livro "Anuário Mediúnico" da Equipe Luz Espírita (ver aqui), além da Saga Recanto de Irmãos, disposta no nosso Portal por este link.

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Menino gênio e a prova da existência de Deus


Uma das notícias que mais correram o Mundo esta semana foi a do garoto americano, William Maillis — de apenas 9 anos — que ingressou no curso superior do Community College of Allegheny County, no Estado da Pensilvânia, EUA, anunciando uma ousada pretensão: provar a existência de Deus.

Segundo o site da revista People, o menino quer atestar que somente uma força externa seria capaz de formar o universo. Para conseguir avançar em seus estudos, William pretende se aprofundar em física e química, fazer um doutorado e trabalhar como astrofísico. Dessa forma, ele tentaria mostrar que teorias dos físicos Albert Einstein e Stephen Hawking sobre o universo não estão corretas.

A família da criança afirma à People que, desde bebê, o desempenho de William já se destacava em comparação às pessoas da mesma idade: aos 2 anos, ele fazia contas de multiplicação, lia e escrevia; aos 4, aprendeu grego; aos 5, sabia geometria e, aos 7 anos, dominava conceitos de trigonometria.


O problema da existência de Deus

A discussão sobre a existência ou não do Criador é recorrente e não parece fácil de ser concluída, pois, entre outros fatores, tem a ver com questões complexas, como o sentido do ateísmo clássico, que é a negação da divindade e da espiritualidade, atendendo aos apelos da oposição sistemática aos modelos religiosos tradicionais, que fazem de Deus um ser antropomórfico (com características humanas), cheio de fraquezas e, portanto, incompatível com os princípio elementares que se espera de um ser supremo, como a bondade, a sabedoria, a justiça e a onipotência. Isso porque, diante das desigualdades nesse mundo, alega-se que: ou Deus é bom, mas não é inteligente ou não é poderoso o suficiente para "dar um jeito em tudo"; ou Ele tem saber e poder para fazer isso, mas não o faz — o que seria falta de justiça e bondade.

Como os modelos tradicionais não atendem a esses requisitos, nega-se Deus como uma negação às religiões convencionais, sem expectativa de uma alternativa plausível.


A visão espírita sobre a Divindade 

Já desde a primeira questão de O Livro dos Espíritos, o Espiritismo se fundamenta na existência de Deus e assegura a perfeita harmonia de suas qualidades com as circunstâncias do nosso mundo, mostrando as causas, efeitos e objetividade das desigualdades humanas.

Contudo, como doutrina racional, o Espiritismo não se contenta simplesmente com o "testemunho" dos Espíritos: ele requer demonstrações concretas. Na questão da existência do Ser Supremo, a argumentação básica é a de que todo efeito tem uma causa. Assim, a criação cobra um criador. Entretanto, vem aí uma indagação nada desprezível: qual a origem então do criador? A resposta comum é que Deus é eterno, ou seja, não teve princípio e não terá fim.

Em face disso, Kardec — cientista por natureza — explora a essência da infinidade, ao que os guias espirituais não tardam para lhe barrar a curiosidade, pelo menos por hora, respondendo que essas são questões complexas e insolúveis para nós, pois ainda nos falta a capacidade de assimilação desses conceitos.

Logo, a Doutrina Espírita não responde completamente a esse grande problema. Deus permanece como uma incógnita para nós — embora o Espiritismo tenha dado passos significativos no entendimento da divindade, especialmente por  lhe resgatar os princípios de onipotência, sabedoria, bondade e justiça, que os modelos religiosos não conseguem oferecer.


A pretensão de William

Quanto aos planos do jovem gênio, não podemos esperar muito — especificamente falando da questão tratada. Todavia, esse seu objetivo poderá levá-lo a grandes feitos em favor tanto da ciência quanto da espiritualidade. Caso ele conserve o espírito científico e a mente aberta para as questões metafísicas, poderá se notabilizar por avanços acerca da natureza espiritual. Mas, além de enfrentar o ceticismo trivial da classe acadêmica, terá ainda de lutar contra as pré-concepções culturais de seu povo. Os americanos conservam as raízes do Protestantismo inglês.

Seria o caso de perguntarmos: o jovem William já estaria disposto a ver a natureza divina tal como ela é? Ou apenas gostaria de provar a existência de Deus em acordo com suas crenças, quem sabe, para satisfazer a igreja de seus pais? E se, em suas pesquisas, ele topar com evidências da reencarnação — o que não é nada apreciável para a cultura tradicional inglesa?

Em todo o caso, vibremos por essas novas mentes brilhantes que estão reencarnando entre nós!

Para saber mais sobre Deus, recomendamos o seu verbete na Enciclopédia Espírita Online.

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Lançamento da série "Espiritismo sem misticismo"


O Canal de vídeos Luz Espírita no YouTube ganhou uma nova série: "Espiritismo sem misticismo", a qual trata de assuntos diversos que dizem respeito ao Espiritismo em face das más interpretações comuns que os leigos fazem dos verdadeiros postulados da nossa doutrina.

E, de fato, mesmo entre aqueles que "se dizem" espíritas, o Espiritismo é bem pouco compreendido, em sua essência, enquanto que comumente é bastante confundido com outras doutrinas e com outras práticas místicas, descaracterizando-o e criando distorções contraproducentes.

No primeiro vídeo da série, Ery Lopes — um dos diretores da Fraternidade Luz Espírita — traz como tema central a indagação: "O Espiritismo serve para você?", pondo em questão a expectativa daqueles que têm procurado ajuda nas casas espíritas em confronto com o real papel dessas instituições na formação espiritual desses assistidos.

Assista ao vídeo pela janela abaixo:



Curta e compartilhe o vídeo!

sábado, 1 de outubro de 2016

Mês de Aniversário de Allan Kardec


Outubro é o mês de aniversário do codificador espírita Allan Kardec, nascido no terceiro dia de outubro de 1804. Portanto, neste 3 de outubro de 2016, comemoramos o ducentésimo décimo segundo ano de seu nascimento. E, aproveitando o ensejo, trazemos aqui uma série de sugestões para relembrarmos os feitos extraordinários de sua incalculável contribuição à Humanidade:


Enciclopédia Espírita Online

Conheça melhor a biografia deste grande missionário de Jesus, pelo qual a Humanidade pode adentrar na Terceira Revelação divina, através do seu verbete na Enciclopédia Espírita Online (veja aqui).





"Obras Póstumas"

Para começar, que tal conhecer um pouco dos bastidores da fundação do Espiritismo, através de manuscritos do próprio Kardec? Então, a pedida certa é o livro "Obras Póstumas" (ver aqui).




"Kardec, a biografia", de Marcel Souto Maior

Outra excelente sugestão de leitura é a biografia "Kardec, a biografia" (ver aqui), do jornalista Marcel Souto Maior, pela qual temos acesso a detalhes muito interessantes do codificador espírita, que o autor extraiu de uma intensa pesquisa feita em arquivos franceses, detalhes esses não suficientemente disseminados no meio espírita.


Espiritismo: de Kardec aos dias de hoje

Dificuldades para ler? Então vá de vídeo, com o documentário "Espiritismo: de Kardec aos dias de hoje", produzido pela FEB - Federação Espírita Brasileira.
Nesse filme, dirigido por Marcelo Taranto e lançado em 1995, temos uma narrativa muito instrutiva, adocicada pela bela voz da atriz Aracy Balabanian. Nele, o consagrado ator Ednei Giovenazzi interpreta o codificador espírita, retratando desdes os primeiros dias em que o pedagogo foi convidado a conhecer as "mesas girantes" até que então tomasse para si a grandiosa missão de coletar e publicar a Terceira Revelação divina: o Espiritismo.
O documentário é notável por várias razões, por exemplo: a remontagem dos cenários daquela Paris de meados do século XIX; a semelhança e do ator com o personagem, a fidelidade das falas de Kardec à fonte principal (o livro "Obras Póstumas"), além da narração. Vale cada segundo de atenção.


E viva Allan Kardec!