quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Eventos Espíritas: programe-se e participe!

Eventos Espíritas
Confira a programação completa na página Eventos Espíritas







II Encontro de Amigos Luz Espírita


terça-feira, 27 de agosto de 2013

"Maravilhosos Encontros com Eurípedes Barsanulfo" por Lauret Godoy.

Um dos nomes mais importantes do Movimento Espírita brasileiro nos seus primórdios é, reconhecidamente, Eurípedes Barsanulfo. Conhecer sua biografia é, sem dúvida, uma lição de inspiração e iluminação.
E para tanto, aqui postamos uma série de vídeos com a entrevista de Lauret Godoy ao programa "Repensar" da TV Mundo Maior, falando também de sua obra biográfica "MARAVILHOSOS ENCONTROS COM EURÍPEDES BARSANULFO", publicado pela Editora Meca e distribuído pela Aliança Espíriita.
Acompanhe o programa pelas janelas abaixo:

Parte 1


Parte 2


Parte 3


segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Palestra Espírita Online "A Doutrina de Kardec no Brasil", com Cassio Branco de Araújo

O programa Palestra Espírita Online, promovido pela Equipe Luz Espírita, traz a cada edição uma nova exposição acerca dos temas de interesse ao Espiritismo, de uma forma dinâmica de modo a permitir a interação entre o palestrante e os demais participantes.

PRÓXIMA PALESTRA
27, agosto
"A DOUTRINA DE KARDEC NO BRASIL"
com Cassio Branco de Araújo

Os programas são transmitidos ao vivo para toda internet pela Web Rádio Luz Espírita e a sua interação conosco pelo chat que se abre na mesma Sala de Transmissão.
Clique aqui para abrir a Sala de Transmissão
Rádio Luz Espírita




domingo, 25 de agosto de 2013

Lançamento: "PARTIDA", de Daniel Siebert


O acervo do Painel da Música Espírita ganhou mais uma contribuição: o músico catarinense Daniel Siebert está compartilhando com todos mais uma composição sua, a canção "PARTIDA", cuja dedicatória, ele assim descreve:
"No final de 2011 um amigo de infância se suicidou era o segundo amigo que perdia pela ilusória porta do suicídio, hoje com o conhecimento da doutrina espírita confirmando que a morte não existe e que a vida continua indefinidamente, que somos construtores do nosso amanha, que seremos felizes ou estaremos conturbados de acordo com o que fazemos hoje,nesta presente existência. Compusemos essa musica, ela é uma mensagem aos espíritos que partiram antes da hora. Embora possamos cair nos abismos do erro e da dor, sempre teremos novas oportunidades de resgate e de continuidade a caminho da espiritualidade superior.
"Expressamos nossos melhores sentimentos as famílias e principalmente aos espíritos que estão passando por essa experiencia, rogando a Deus, Jesus e a Maria Mãe Santíssima que acolha e ampare a todos!"
O resultado, você confere no videoclipe abaixo:


Confira outras composições de Daniel Siebert e de outros músicos espíritas no Painel da Música Espírita.


sábado, 24 de agosto de 2013

"O que acontece após o desencarne", no Programa Transição


A mais pertinente pergunta de todas -- o que acontece após o nosso desencarne -- destrinchada por estudiosos espíritas em uma edição especial do Programa Transição, agora disponível para você.
Acompanhe:


Visite o site do Programa Transição.

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Nota extraordinária sobre o programa "Evangelho no Lar Online"

Contato Luz Espírita

Devido problemas técnicos, a Equipe Luz Espírita informa que excepcionalmente nesta quinta-feira, 22 de agosto, a Rádio Luz Espírita não transmitirá o programa "Evangelho no Lar Online".
Aos amigos que sempre acompanham esse programa, sugerimos que sigam o roteiro, cada qual em seu lar, com uma prece de abertura, uma pequena leitura, um momento de vibração e encerramento com uma breve prece. Em caso de dúvidas, consultem o roteiro Evangelho no Lar.
A programa voltará ao normal amanhã, com mais uma edição do programa "Conversando o Evangelho".

domingo, 18 de agosto de 2013

Eventos Espíritas: programe-se e participe!

Eventos Espíritas
Confira a programação completa na página Eventos Espíritas



O Semeador

Meimei


Curso Online Luz Espírita



Desde 2009  portanto, há quatro anos —, a Equipe Luz Espírita oferece cursos online com monitoramento. A ideia original foi proporcionar uma oportunidade de estudo sistematizado àqueles que não têm a disponibilidade de frequentar um curso presencial em uma casa espírita, por razões diversas, por exemplo, por incompatibilidade de horário, distância ou falta de uma instituição kardecista próxima.
Assim foi que, a partir de um grupo de estudos no Núcleo Espírita A Caminho da Luz (São Paulo, SP), formou-se uma equipe de voluntários que se dispuseram a acompanhar o estudo dos interessados inscritos, tudo à distância, via Email e totalmente gratuito.
O material didático foi preparado, tendo como base o programa ESDE — Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita — elaborado pela Federação Espírita Brasileira, adaptado para um formato mais acessível, considerando as características de um curso via internet.
José Carlos Bell e Julci Severo
Daí em diante o projeto só cresceu. Hoje, sob a coordenação de José Carlos Bell, o nosso Departamento de Estudos tem dois cursos vigentes: o curso básico "Espiritismo - Estudo Sistematizado" — e ainda um programa complementar "Filosofia em Espiritismo" , monitorado por Julci Severo.
Atualmente, a equipe é composta por trinta monitores, de diversas partes do Brasil, atendendo cerca 400 inscritos, de toda parte do Brasil e do exterior.
Felizmente, a procura é grande — o que significa 1) o crescente interesse pela Doutrina Espírita; e 2) a credibilidade da Fraternidade Luz Espírita.
Porém, temos o que lamentar: a impossibilidade de atender a todos. Já há uma fila de espera de mais uma centena de pré-inscritos.
A relação dos nossos monitores:
ADRIANA DA LEVE - Passo Fundo, RSANA MARIA VENQUIARUTI - São Luiz Gonzaga, RSANGÉLICA ARRECHE - Santos, SPCARLOS ANTÔNIO - Campos Belos, GOCÍCERA MARIA - São Vicente, SPCRISTIANE BARSOTTI - São Paulo, SPCRISTIANE BRISKI - Vinhedo, SPDANIELLE FERNANDES - Botucatu, SPDIEGO PORTO - Presidente Prudente, SPDONIZETE MEDEIROS - Taboão da Serra, SPELIANE RAMOS - Brasília, DFERY LOPES - São Paulo, SPERNANI FERNANDES - São Paulo, SPFARIAS JÚNIOR. - Mulungu, CEGABRIELA QUEIROGA - Brasília, DFHELMUT HEIDRICH - Santos, SPJANETE CLÉIA - Canoas - RSJOSÉ CARLOS BELL - Santa Cruz Sul, RSJULCI SEVERO - Santa Cruz do Sul, RSMARCELO CAPELA - Jaú, SPMARCELO MARQUES - Hortolândia, SPPAOLA SCADINO - São Paulo, SPRITA GOMES - Conselheiro Lafaiete, MGRITA DE CÁSSIA - Rio de Janeiro, RJRIVAIL JUNIOR - Canoas, RSRODRIGO FÉLIX - São Paulo, SPROSANGELA VALENTE - Mesquita, RJSÉRGIO TORRES - São Paulo, SPSUELI SCADINO - São Paulo/SPTÂMARA AMARAL - Fortaleza, CE

Até o momento, já contabilizamos quase uma centena de inscritos que concluíram o nosso curso básico.
A avaliação dos concluintes é bem positiva. Recentemente, por exemplo, a concluinte Stela, de Guarulhos-SP, assim resumiu:
Eu achei o curso intenso nas explicações e de fácil linguagem para iniciantes, como eu, com boa explicação para todos os textos que recebi da minha orientadora, que sempre me atendeu da melhor forma possível, com paciência, explicações e dedicação a todo instante.
O curso mostrou de forma objetiva e prática sobre o Espiritismo ou Doutrina Espírita, sua origem, Deus, Espíritos, Reencarnações, Pluralidade dos Mundos Habitados, Classe Espírita e Evolução, Qualidades e Aptidões, Convívio Espírito, Influencia e Manifestação Espírita, Filosofia Moral Espírita, Esperanças e Consolações, fazendo-me a cada lição pensar, refletir, analisar, questionar-me, mudar algumas atitudes, pensamentos e mostrar a mim que tenho que aprender muito ainda, evoluir muito, crescer espiritualmente a cada dia com tudo que o mundo e a vida me oferecem.
De Campos Belos-GO, Josep Ferreira assim nos escreveu:
Gostaria de agradecer a toda equipe responsável pelo curso, em especialmente minha grande e amada monitora, que durante todo o curso sempre incentivou, respondeu dúvidas e questões. Agradecer o tempo no qual sempre disposta a ajudar, obrigado querida irmã.
Sobre o curso, achei maravilhoso, no qual trouxe luz a minha vida, me ajudou a melhorar como pessoa, trouxe-me muitos conhecimentos, respostas que antes não tinha, ajudou a me encontrar comigo mesmo. A única coisa que gostaria é de agradecer à equipe Luz Espírita por fazer um trabalho maravilhoso, para que os nossos irmãos possam conhecer a máxima do mestre Jesus, aprender que o amor é vida, é esperança, é trabalho, nós somos o amor, somos uma parte de Deus, somos divinos, mas que precisamos percorrer um caminho de luz rumo a perfeição, em direção do amor divino, para os braços do nosso Pai celestial, para o abraço do nosso irmão divino que é: Jesus.
Obrigado a todos que apoiam o curso e que a cada dia incentiva os cursantes a continuar, pois se perguntar se vale a pena, olhe para trás e perceba o quanto já aprendeu, o quanto já cresceu e o que tem mudado em si, e perceberá que temos dentro de nós os germes da perfeição e que só precisamos da nossa vontade para que possam ser desenvolvidos.
O amor de Deus é a luz que ilumina o mundo; que essa luz possa iluminar à todos.
Relevante salientar ainda que muitos dos cursandos dos nossos estudos também participam de outras atividades dentro da Fraternidade Luz Espírita, como os nossos programas online (ver Programação Online).

No momento, portanto, não há vagas em aberto e nem pré-cadastro. Os interessados devem acompanhar por este blog ou pelo Portal Luz Espírita quando as inscrições serão reabertas.

Para saber mais sobre nossos estudos acessa a página Cursos Online.


sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Videopalestra "A glândula Pineal" com Sérgio Felipe de Oliveira



Videopalestra "A Glãndula Pineal", com o Dr. Sérgio Felipe de Oliveira, realizada em 14 de junho, 2013 no Cineclube Socioambiental Crisantempo.
GLÂNDULA PINEAL – união do corpo e da alma, novos conceitos e avanço nas pesquisas - PALESTRA com Dr. Sérgio Felipe de Oliveira
A Glândula Pineal integra o relógio cerebral e é responsável por todos os ritmos no organismo, como por exemplo os ritmos da reprodução hormonal, do funcionamento do sistema nervoso autônomo, dos ciclos da vida até o envelhecimento, do sono; além dos ritmos reprodutivos, os da fome e ainda do estado de humor. Ela é um sensor magnético convertendo ondas do espectro eletromagnético em estímulo neuroquímico. Esta glândula parece ser o melhor laboratório de estudos da física sobre a relação espírito-matéria, com suas propriedades de captação de ondas do espectro eletromagnético que aparentemente influenciam funções de sensopercepção mediúnica e telepática.
CONVERSA com Dr. Sérgio Felipe de Oliveira é um psiquiatra brasileiro, mestre em Ciências pela USP e destacado pesquisador na área da Psicobiofísica. Pesquisador do Instituto de Ciências Biomédicas, em seu estudo sobre pineal chegou à seguinte conclusão: "A pineal é um sensor capaz de 'ver' o mundo espiritual e de coligá-lo com a estrutura biológica. É uma glândula, portanto, que 'vive' o dualismo espírito-matéria. O cérebro capta o magnetismo externo através da glândula pineal".
Video: Fabiana Loyola e Danila Bustamante
Foto: Judy Quinn e Rafael Beraldo





terça-feira, 13 de agosto de 2013

A Vida, A Morte e a Música

Filomusicologia
Artigo publicado no Blog Filomusicologia (http://filomusicology.blogspot.com.br) que julgamos interessante para a apreciação dos nossos amigos.

O artista é profeta da vanguarda, em sua ímpar mensagem subliminar, e a Música — primeira das artes — desenvolve esse papel superiormente.

O compositor alemão Johannes Brahms (1833-1897) já era consagrado e estava um tanto desmotivado para novas composições — faltava-lhe inspiração, alegou. Porém, em decorrência do falecimento, um tanto trágico, do amigo e conterrâneo Anselm Feuerbach, Brahms voltou-se para os questionamentos acerca da espiritualidade. Em memória do amigo, ele compôs uma verdadeira obra-prima, não apenas pela sofisticação melódica, mas pelo tema empregado na canção.

Em tempos de Inquisição, quando questionar os dogmas romanos era risco de vida, Brahms absteve-se da mesmice dos temas fúnebres, especialmente em torno das promessas clássicas do céu e inferno — extraídas da interpretação clássica sobre as escrituras bíblicas —, e inovou, ao mesmo tempo em que provocou, considerando outras ópticas, remontadas a partir da mitologia grega, em alusão direta a mais abissal inquietação dos pensadores: o destino pós-morte.

No réquiem Nänie (canção fúnebre), de 1881, sobre o poema homônimo de Friedrich Schiller, ele exalta a morte — por exemplo, quando diz "Mesmo a beleza deve perecer". Brahms deixa então sua concepção de que o destino dos homens é indefinido. Morte, fim, recomeço, continuação…?


Em outro opus, Schicksalslied (Canção do Destino), sobre o poema de Friedrich Hölderlin, Brahms polemizar sobre a sina dos homens, como míseros mortais, frente aos deuses, que gozam da infinitude.

A indefinição deixada por Brahms abre brecha para que se perscrutasse sobre o destino — da morte e do sentido da vida — com mais liberdade, de forma mais intimista, apurando conclusões pessoas entre a racionalidade das coisas terrenas e as emoções que a sepultura nos provoca. É, portanto, uma heresia, uma afronta à Igreja, que toma para si a prerrogativa de ditar o destino da humanidade. Em Brahms, ousamos questionar nossa própria sina, bem como a da Humanidade. E, num ato lúcido, uma conclusão primordial se apresenta desde pronto: se a escrita não está legível, prevalece a dúvida.

Mais tarde, os musicólogos vão encontrar uma versão bem plausível para a dúvida do destino, na música de em Ludwig van Beethoven (1770 - 1827), especialmente em uma sinfonia, a quinta — exatamente a mais famosa deste compositor. Na verdade, não seria preciso ouvir mais do que as quatro primeiras notas desta obra para se compreender a sua ideia central. As três primeiras — notas curtas e num ritmo bem marcado — representam o ritmo frenético e instintivo da vida terrena, na trilha quase mecânica pela sobrevivência carnal. A quarta nota — de duração mais longa — representa a morte e a continuação da nossa existência, portanto, a espiritualidade. Percebe-se então, no transcorrer da composição, uma série combinada de quatro notas, correspondendo àquela chave inicial, continuando três notas curtas e uma quarta nota mais acentuada. E para demonstrar a pujança da vida espiritual, Beethoven encerra a quinta sinfonia — que começa com uma expressão tanto dramática — com uma fanfarra, para conotar um momento festivo, tal como é o plano superior.



Talvez como em mais nenhum outro personagem, em Beethoven os ingredientes VidaMorte e Música têm uma dramaticidade indizível: ainda com 28 anos de idade o compositor começa a perder a audição,. A surdez é progressiva e ele com apenas 46 anos já está totalmente surdo. Para qualquer pessoa, uma deficiência física é uma horrenda tragédia; para um músico qualquer, é uma morte prolonga. Por um momento, o gênio alemão se vê como que perdido, mas, felizmente, a Música o faz renascer.
"Devo viver como um exilado. Se me acerco de um grupo, sinto-me preso de uma pungente angústia, pelo receio que descubram meu triste estado. E assim vivi este meio ano em que passei no campo. Mas que humilhação quando ao meu lado alguém percebia o som longínquo de uma flauta e eu nada ouvia! Ou escutava o canto de um pastor e eu nada escutava! Esses incidentes levaram-me quase ao desespero e pouco faltou para que, por minhas próprias mãos, eu pusesse fim à minha existência. Só a arte me amparou!" (Ludwig van Beethoven, in Testamento de Heilingenstadt, a 6 de Outubro de 1802)


Beethoven renunciou àquele destino vulgar que lhe foi imposto e continuou musicando — e, pode-se dizer, cada vez melhor. A magistral 9ª Sinfonia, finalizada em 1822, dentre outras obras, foi composta já sem os recursos comuns do órgão auditivo. Destarte, ele personifica a vivacidade da arte musical com reflexo prático e direto à própria existência, pois se se considera como superiora a espiritualidade, seu alimento (o pão espiritual) há sobrepujar toda e qualquer manifestação fisiológica e mesmo psicológica — por exemplo, o desejo de auto-aniquilamento, em razão da humilhação de não se estar fisicamente completo.

A relação entre os temas Vida, Morte e Música são, em suma, intrínsecos, seja pelo fator técnico — por exemplo, a alternância do som (notas musicais) e silêncio (pausas) —, seja pelo teor subjetivo das composições. A mitologia clássica cuidou de pôr em relevo essas três potências no drama de Orfeu, que se utilizou do encanto musical foi resgatar sua amada — Eurídice — do reino da morte — o Hades.



Nessa trinca de potências, vê-se um ciclo em voga, em que a Música celebra a Vida, enquanto em vida, e que a Morte, rompendo essa primeira ligação (Música-Vida), acaba por reinventar tudo, pois que ela, a Música, é uma potência espiritual, enquanto que essa Vida e essa Morte de que falamos — e que bem melhor grafados ficam com os sinônimos encarnação e desencarnação — são compassos relativos à dimensão terrena.
Ery Lopes

domingo, 11 de agosto de 2013

Lançamento: "FILOSOFANDO", com Daniel Siebert


Tem novidade no Painel da Música Espírita: lançamento da canção "FILOSOFANDO" com Daniel Siebert, faixa que faz parte do álbum "Seja Feliz".
Confira:


Visite a página do Daniel Siebert no Painel da Música Espírita e confira outras canções do espírita e artista catarinense.

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Documentário ˜Mediunidade Descoberta˜ - TVCEI


Eles são funcionários públicos, são pais de família, pagam contas e buscam a religiosidade. São pessoas comuns, mas uma única coisa os diferencia das outras pessoas: eles são médiuns. As crenças, os medos e a curiosidade são desafiados com os relatos de Geraldo, Ricardo, Sandra e Mayse contando casos surpreendentes, seja no ambiente de trabalho, em casa ou na rua. Os médiuns afirmam que são pessoas normais, mas o dia a dia deles é completamente diferente da maioria.
Esse o teor do documentário "Mediunidade descoberta", de 41 minutos, produzido pela TVCEI, sob a direção de Geraldo Campetti Sobrinho.

Confira aqui:


domingo, 4 de agosto de 2013

II Encontro de Amigos Luz Espírita


Olha só o que vem por aí: o II Encontro de Amigos Luz Espírita; um encontro de confraternização, divulgação das atividades da nossa Fraternidade e apresentações artísticas.
O evento será realizado no sábado, dia 16 de novembro, durante o feriadão da Proclamação da República. O local será em São Paulo, Capital, nas dependências do Núcleo Espírita A Caminho da Luz, no bairro do Itaim Paulista, Zona Leste.
Além de exposições acerca das atividades Luz Espírita, teremos várias atrações artísticas para harmonização do evento.
A entrada será livre. A casa oferecerá almoço a preço popular, mas é opcional.
Em breve, mais informações.
Programe-se e venha participar dessa festa conosco.

Núcleo Espírita A Caminho da Luz





"Francisco de Roma e do Brasil, entre os muitos Franciscos", por Marcelo Henrique

Recebemos o seguinte artigo e compartilhamos com todos, com a devida e gentil autorização do seu autor, o confrade Marcelo Henrique, de Santa Catarina.

Francisco de Roma e do Brasil, entre os muitos Franciscos

Indiscutivelmente, a figura do cardeal maior da Igreja de Roma é um personagem importante para a história do planeta. Seja ele quem for, atrai atenções e comentários, das pessoas, religiosas ou não, e da mídia. É um homem, portanto, que exorbita o interesse de católicos, tão somente.
Não vou me demorar enquadrando a presença da filosofia católica sobre a Terra, desde que Constantino o reconheceu como "religião oficial do Estado Romano". Tampouco irei tecer comentários sobre as ações da cúria, sejam elas positivas ou negativas, nem tratarei de aspectos correlacionados à liturgia e aos dogmas da crença oficial cristã. Penso que os fatos do passado pertencem ao cenário e ao tempo em que ocorreram, em face da realidade espiritual de seus protagonistas e dos demais habitantes dos lugares em que ocorreram, localmente ou em aspecto mais amplo, em termos planetários.
Vou me debruçar sobre a imagem, as palavras e a postura do atual Chefe da Igreja Católica, o cardeal argentino Bergoglio, papa Francisco. E as impressões serão de um espírita que acredita no Humanismo, na Pluralidade, no Livre Pensar e na perspectiva de modificação do ambiente planetário a partir da presença e da atuação das pessoas.
Francisco promove um verdadeiro choque de gestão na vetusta religião e implementa, aos poucos, uma postura bastante diferente dos seus antecessores. Se focarmos a comparação com João Paulo II (o polonês Wojtyla), poderemos vislumbrar algumas pequenas semelhanças, sobretudo no seu pontificado até o fatídico atentado que ele sofreu, em Roma, desencadeando a debilitação de suas forças físicas até a morte. João de Deus também era bem próximo das pessoas, do povo e os aparatos de segurança papal foram intensificados a partir daquela tarde na Itália. Francisco como João são dotados de notável e notório carisma. Em relação ao polonês, este carisma ainda prevalece vivo e presente, ampliado a partir da perspectiva de sua canonização e santidade.
Embora seja cedo para aquilatar qual será a importância integral da presença deste latino-americano como sumo pontífice (e dos efeitos que produz e produzirá por, cremos, bastante tempo, em face de sua idade e disposição), a Igreja tem um dinâmico personagem capaz de promover mudanças, não propriamente no plano externo como fez João Paulo em relação à política internacional, economia e relações internacionais entre povos e Estados, mas no âmbito interno, da organização, funcionamento e prioridades da Igreja Católica. Se Wojtyla foi um legítimo estadista (ainda que se possa contestar, aqui ou ali, várias das metodologias e das atitudes que ele possa ter utilizado em sua caminhada) produzindo reflexos e reflexões importantes para um mundo em "fase de abertura", Bergoglio pretende ocupar a posição de legítimo pastor de um rebanho (até então bastante confuso e perplexo em relação à real condição humana dos líderes religiosos, ao contrário da aparente santidade cultuada e imaginada pelos fiéis). Estamos diante, agora, de um homem sentado no trono maior de uma nação religiosa (ainda que, notoriamente, em diminuição percentual de adeptos por todo o mundo, em face da expansão dos cultos neopentecostais e da abertura para as filosofias reencarnacionistas do ocidente e do oriente).
Este homem fala diferente. Seus discursos possuem novas configurações voltadas para a inclusão e a abertura em relação às "ovelhas desgarradas", excluídas pelas falas anteriores ou expulsas em face das prescrições religiosas em relação ao "dever ser", sem comportar perdões ou regenerações dos "pecadores". A Igreja vinha praticando, cultural e historicamente, o oposto, portanto, daquilo que seu maior inspirador, Jesus de Nazaré, havia prelecionado e exemplificado: o acolhimento dos pecadores a partir do reconhecimento da condição humana, errante dos filhos de Deus, em trajetória sempre ascendente. Francisco acolhe, aproxima, abraça, numa nítida intenção de permitir que os filhos pródigos (em todos os sentidos, não somente o material) possam comungar no seio da comunidade cristã e recebem o reconhecimento de serem "parte" da Comunidade Planetária, sem exceções. Seja às mães que abortaram, aos homossexuais e aos envolvidos em vícios, sua palavra e sua atitude tem sido numa única direção: - Vinde a mim!
No plano político-institucional, pelas notícias e avaliações técnicas de especialistas a que tivemos contato, o "Santo Papa" também está implementando uma política de austeridade, transparência e regularização de erros, assim como, supõe-se virão, apurações dos ilícitos e julgamento e apenação exemplar dos envolvidos. Eis, aí, uma excelente "novidade", porquanto as facções religiosas têm sido agraciadas por benesses e instrumentos protecionistas injustificáveis, por parte dos Estados laicos, numa confusão injustificável entre os "assuntos de fé e crença" e os "negócios mundanos". Em muitas das nações desenvolvidas, os Estados (e seus gestores e fiscalizadores) deixam de realizar ações de averiguação, controle e exação sobre as instituições religiosas, resultando num preocupante estado de libertinagem que conduz a crimes de variada configuração, o mais grave deles o da exploração da fé e dos recursos financeiros pessoais dos chamados crentes.
Neste aspecto, o saneamento que pretende fazer Francisco vem em oportuna e undécima hora, ainda que, para sua execução, interesses vários estejam em contraponto e a sempre perigosa extensão dos poderes e honrarias humanos possa configurar resistência ou ameaça à boa intenção de regularização contida nos objetivos da gestão papal. Nossos votos de que ele (e os que o assessoram) possa alcançar o intento, melhorando a imagem da instituição estatal do Vaticano.
Para todos os que trabalham com as energias dos Espíritos, a passagem do papa pelo Brasil foi muito positiva. Mesmo aqueles que temiam por sua segurança e integridade - tendo em vista o cenário anterior em que as mobilizações contra os desmandos políticos dos governos de diferentes esferas de poder estiveram na pauta e que, ainda que minoritariamente, excessos em termos de atos de violência, vandalismo e criminalidade foram constatados - ficaram surpresos com a "intocabilidade" do pontífice. Figurativamente, uma aura envolveu o homem "de Deus" e o permitiu transitar livremente "por entre as pessoas", convivendo com elas e recebendo aquela que é uma das maiores marcas da Sociedade brasileira: a hospitalidade.
Positiva porque permitiu a interlocução da mensagem católica com outras correntes de pensamento, direta ou indiretamente, a partir das mensagens contidas seja nas homilias, seja nas pregações, seja nos gestos e nos contextos de sua peregrinação. Positiva porque deixou uma clara mensagem aos homens e mulheres, religiosos ou não, de que é preciso abrir-se para o outro, dialogar construtivamente e buscar soluções a partir da conduta pessoal de cada um. Positiva porque sua simplicidade de ser e sau "humildade" no trajar e demais componentes que envolvem seu ministério são exemplos para aqueles que imaginavam a mantença do quadro de opulência e ostentação dos tradicionais representantes das igrejas em geral, com raras exceções, assim como para aqueles que, investidos em poderes temporais, no cenário sócio-político, adornam-se de elementos superficiais e desnecessários, bem como se valem da posição que ocupam para se locupletarem com outras vantagens, a preço exorbitante pago pelos cidadãos contribuintes. Positiva porque permite que, mesmo que não hajam mudanças significativas em relação à teoria e aos dogmas da religião da cristandade, já que estas atravessam séculos sem alterações e pertencem ao caráter constitutivo em si da crença católica, a práxis e a conduta em relação às chamadas "verdades religiosas" permite divisar uma igreja mais próxima do povo e, portanto, mais aberta à perspectiva da realidade "de dentro para fora", isto é, do ser para o existir, do pensar para o agir, ao invés da prescrição de condutas perfeccionistas bem distantes da realidade (espiritual) de cada fiel ou, mais amplamente, de cada um dos "filhos de Deus".
Esta configuração é, em essência, o melhor recado que podemos tirar da presença, entre nós, de Francisco de Roma: sua disposição em reinventar a Igreja a partir de novos comportamentos e atitudes. Aliás, é isto também que esperamos do movimento espírita: sua abertura para os "vários e muitos" espiritismos que por aí existem, distanciando-nos enfim das "prescrições de conduta espírita", dos manuais de "pureza doutrinária", das exceções e afastamentos, das indiferenças e dos silêncios em relação aos, digamos, "diferentes". Ao deixarmos de lado a "autoridade" que possamos achar ter em relação ao conteúdo das obras espíritas, por meio de comportamentos de censura e de admoestação àqueles que, no nosso entender, estejam atuando "fora" do padrão que convencionamos adotar, em instituições maiores de gestão espírita, reinventamos o Movimento Espírita, para permitir a aproximação e o diálogo COM TODOS, investindo nas semelhanças e não nas mínimas diferenças (de entendimento sobre os princípios ou teorias espiritistas), dando passos audaciosos na direção do entendimento e das parcerias, tão importantes para uma Sociedade carente e em transição. Mais que isso, descemos o degrau de uma aparente "superioridade" derivada da teoria, da interpretação ou da prática, em que tradicionalmente podem se colocar alguns espíritas cuja intransigência não tem permitido os necessários avanços. Não há um ÚNICO modo de entender o Espiritismo. Não há uma MESMA forma de "trabalhar com os Espíritos". Vale dizer: se não estamos abertos para aprender com os outros, dentro e fora das hostes espíritas, não estamos materializando as aspirações traçadas pelos Espíritos que laboraram com Kardec e que o levaram, conclusivamente, a pontuar:
"O Espiritismo tem princípios que, em razão do fato de estarem fundados sobre as leis da Natureza, e não sobre abstrações metafísicas, tendem a se tornar, e serão certamente um dia, os da universalidade dos homens; todos os aceitarão, porque serão verdades palpáveis e demonstradas, como aceitaram a teoria do movimento da Terra; mas pretender que o Espiritismo será, por toda parte, organizado da mesma maneira; que os Espíritas do mundo inteiro se sujeitarão a um regime uniforme, a um mesmo modo de proceder; que deverão esperar a luz de um ponto fixo para o qual deverão fixar os seus olhares, seria uma utopia tão absurda quanto pretender que todos os povos da Terra não formarão um dia senão uma única nação, governada por um único chefe, regulada pelo mesmo código de leis, e sujeita aos mesmos usos. Se há leis gerais que podem ser comuns a todos os povos, essas leis serão sempre, nos detalhes da aplicação e da forma, apropriadas aos costumes, aos caracteres, aos climas de cada um" (Kardec, Allan. Constituição do Espiritismo, Revista Espírita, dezembro de 1868).
Vejo este Francisco de Roma importante, também, para o meio espírita. Assim como o foram, para a Humanidade e o Espiritismo, outros Franciscos, o de Assis e o de Uberaba, o Xavier. E que estejamos caminhando para a necessária UNIÃO ENTRE OS ESPÍRITAS, como o Codificador tanto desejou: "Todos aqueles que se dizem espíritas não pensam do mesmo modo sobre todos os pontos, a divisão existe de fato, e é bem mais prejudicial porque pode chegar que não se saiba se, num Espírita, se tem um aliado ou um antagonista. O que faz a força é o universo; ora, uma união franca não poderia existir entre pessoas interessadas, moral e materialmente, a não seguir o mesmo caminho, e que não perseguem o mesmo objetivo. Dez homens sinceramente unidos por um pensamento comum são mais fortes do que cem que não se entendem. Em semelhante caso, a mistura de objetivos divergentes tira a força de coesão entre aqueles que quereriam andar juntos, absolutamente como um líquido que, se infiltrando em um corpo, é um obstáculo para a agregação das moléculas" (Kardec, cit.)

Sem divisão e inclusivamente, portanto!

Marcelo Henrique
Doutorando em Direito. Advogado. Auditor Fiscal de Controle Externo do Tribunal de Contas de Santa Catarina. Gestor da Associação Brasileira de Divulgadores do Espiritismo (ABRADE). Assistente da Vice Presidência de Cultura e Ciência da Federação Espírita Catarinense. Presidente do Centro Cultural Espírita Herculano Pires e da Associação dos Divulgadores do Espiritismo de Santa Catarina. Escritor Espírita, autor de “Túnel de Relacionamentos” (Editora EME) e coautor de “Alteridade: A diferença que soma” (Editora Inede). Articulista, conferencista e escritor espírita. Radialista. Espírita desde 1981.

O frasco de maionese e café


Quando as coisas na vida parecem demasiado, quando 24 horas por dia não são suficientes... Lembre-se do frasco de maionese e do café....
Um professor, durante a sua aula de filosofia sem dizer uma palavra, pega num frasco de maionese e esvazia-o...tirou a maionese e encheu-o com bolas de Golf.
A seguir perguntou aos alunos se o Frasco estava cheio. Os estudantes responderam sim.
Então o professor pega numa caixa cheia de pedrinhas e mete-as no frasco de maionese. As pedrinhas encheram os espaços vazios entre as bolas de Golf.
O professor voltou a perguntar aos alunos se o frasco estava cheio, e eles voltaram a dizer que sim.
Então...o professor pegou outra caixa...uma caixa cheia de areia e esvaziou-a para dentro do frasco de maionese. Claro que a areia encheu todos os espaços vazios e uma vez mais o professor voltou a perguntar se o frasco estava cheio. Nesta ocasião os estudantes responderam em unânime "Sim !".
De seguida o professor acrescentou 2 xícaras de café ao frasco e claro que o café preencheu todos os espaços vazios entre a areia. Os estudantes nesta ocasião começaram a rir-se...mas repararam que o professor estava sério e disse-lhes:

'QUERO QUE SE DEEM CONTA QUE ESTE FRASCO REPRESENTA A VIDA'.

As bolas de Golf são as coisas Importantes: 
como a FAMÍLIA, a SAÚDE, os AMIGOS, tudo o que você AMA DE VERDADE.
São coisas, que mesmo que se perdêssemos todo o resto, nossas vidas continuariam cheias.
As pedrinhas são as outras coisas que importam como: o trabalho, a casa, o carro, etc.
A areia é tudo o demais, as pequenas coisas.
'Se puséssemos 1º a areia no frasco, não haveria espaço para as pedrinhas nem para as bolas de Golf. 
O mesmo acontece com a vida'.
Se gastássemos todo o nosso tempo e energia nas coisas pequenas, nunca teríamos lugar para as coisas realmente importantes.
Preste atenção às coisas que são cruciais para a sua Felicidade.
Brinque ensinando os seus filhos,
Arranje tempo para ir ao medico,
Namore e vá com a sua/seu namorado(a)/marido/mulher jantar fora, Dedique algumas horas para uma boa conversa e diversão com seus amigos
Haverá sempre tempo para trabalhar, limpar a casa, arrumar o carro...
Ocupe-se sempre das bolas de Golf 1º, que representam as coisas que realmente importam na sua vida.
Estabeleça suas prioridades, o resto é só areia...
Porém, um dos estudantes levantou a mão e perguntou o que representaria, então, o café.
O professor sorriu e disse:

"...o café é só para vos demonstrar, que não importa o quanto a nossa vida esteja ocupada, sempre haverá espaço para um café com um amigo. "