quarta-feira, 9 de outubro de 2019

Live PEADE sobre o curso "ECE- Estudo do Conceito de Espiritismo"


Para quem não pôde acompanhar em tempo real a live da PEADE realizada ontem (terça-feira, 8 de outubro), o vídeo da transmissão já está disponível no YouTube e aberto a todos, conforme compartilhamos aqui.

Na ocasião, foi posto em análise o conteúdo do curso ECE - Estudo do Conceito de Espiritismo, curso este já inteiramente disponível na nossa plataforma de estudos online. Se você ainda não é inscrito na PEADE, faça sua inscrição agora mesmo clicando aqui. É fácil, interativo e absolutamente gratuito.

Na live, Ery Lopes, o coordenador pedagógico do curso abordou as questões centrais do referido curso, por exemplo:
  • Qual a diferença entre Espiritismo e Doutrina Espírita?
  • Kardecismo" pode ser usado como sinônimo de "Espiritismo"?
  • Podemos considerar "espíritas" os praticantes de cultos como os de umbanda e candomblé?
Acompanhe o vídeo com a live que foi ao ar ontem:



Compartilhe e ajude a divulgar a nossa doutrina!

segunda-feira, 7 de outubro de 2019

Lançamento na Sala de Leitura: "Responsabilidade e Nós" de Jorge Hessen


Nova obra adicionada em nossa Sala de Leitura: Responsabilidade e Nós, de Jorge Hessen, nosso confrade e reconhecido pesquisador espírita residente e atuante do movimento espírita de Brasília.
Veja a sinopse da obra:

Responsabilidade e Nòs
Coletânea de artigos de Jorge Hessen sobre os mais variados temas no entorno do Espiritismo, do movimento espírita e tudo quanto é de interesse para o estudo e reflexão doutrinária.

São, portanto, matérias propostas por um experiente estudioso da doutrina, então úteis para nossa apreciação e reflexão mais apurada sobre assuntos importantes e correntes no nosso cotidiano.

O ebook é uma coprodução do Portal Luz Espírita com o site Autores Espíritas Clássicos e está disponível para livre download em formato PDF.

Clique aqui e baixe agora mesmo Responsabilidade e Nós de Jorge Hessen.

Psicografias em investigação: Fernando Ben é acusado de falsificar mediunidade


Reportagem do programa Fantástico (TV Globo) relata a acusação de supostas fraudes de mediunidade de Fernando Bien, dito médium de psicografia.

Com o título "Suposto médium espírita, que lotava ginásios, é acusado de fraude em suas psicografias" e subtítulo "Fernando Ben é suspeito de tirar informações das redes sociais para colocar nas cartas psicografadas e foi indiciado por estelionato e denunciação caluniosa. Ele nega acusações.", a matéria global reporta testemunhas que alegam que o suposto médium frauda a mediunidade coletando pelas redes sociais informações de pessoas falecidas cujos familiares e amigos costumam seguir as sessões das "Cartas de Fátima" atrás de um contato com esses Espíritos queridos, para então Ben compor supostas mensagens mediúnicas e com isso ganhar notoriedade para depois se beneficiar de seu trabalho através de, por exemplo, doações e vendas de produtos.



A respeito de pseudomediunidade e usurpação desse "dom", nós já publicamos aqui um artigo interessante, assinado pelo pesquisador espírita Jorge Hessen, com o título "Internet, redes sociais e os pseudomédiuns, ambiciosos e mistificadores", de 14 de fevereiro deste 2019. Aliás, Hessen foi um dos críticos contra os quais Fernando Ben moveu uma queixa-crime, exatamente devido a suspeita levantada de seu trabalho mediúnico. Inclusive, Hessen foi o articulador do manifesto público  alertando os espíritas e simpatizantes sobre a exploração que se tem feito da mediunidade, especialmente a pretexto de cartas de entes falecidos. Esse manifesto foi citado na reportagem do Fantástico.

Abaixo, a entrevista completa do repórter da Globo com o médium:



Não entraremos no mérito do trabalho de Fernando Ben, confiando à nossa justiça civil a devida apuração das acusações e a defesa do suposto médium, sabendo ainda que, além das competências investigativa terrena, estamos todos sob o pálio da justiça divina, implacável e absolutamente eficaz. Não conhecemos Fernando Ben pessoalmente e nem acompanhamos intimamente o seu trabalho, de modo que nem podemos absolvê-lo nem tampouco condená-lo por estas acusações. Mas, aproveitando o ensejo da matéria, vamos tratar do problema conceitual, que é a exploração da mediunidade.


Exploração da mediunidade

Mediunidade é um canal extraordinário que a Providência Divina concede em benefício tanto dos encarnados quanto dos Espíritos, donde transcorrem aí mecanismos diversos de ajustes e experimentações salutares para o processo evolutivo de todos os envolvidos. O trabalho de "cartas consoladoras", de que  a biografia de Chico Xavier é ícone, tem transformado vidas e vidas, positivamente, criando laços humanos com a espiritualidade em face dos valores superiores. Veja-se, por exemplo, o resultado do livro Esperança e Fé, que há pouco publicamos aqui (saiba mais sobre isso).



No entanto, dada a fraqueza espiritual de pessoas ainda carentes de um amadurecimento consciencial e as tendências de egoísmo desses espíritos deveras imperfeitos, o instrumento da mediunidade não poderia escapar da exploração, como o previu Allan Kardec, na codificação do Espiritismo. Tanto que ele dedicou um capítulo especial ao tema na obra O Livro dos Médiuns, o guia prático da mediunidade e a melhor orientação para a boa conduta diante do dom de intermediar as mensagens do mundo espiritual. No capítulo XXVIII temos então o título "Do charlatanismo e do embuste", onde o codificador espírita assevera a força motriz das usurpações da mediunidade:
Como tudo pode se tornar objeto de exploração, nada de surpreendente haveria em que também quisessem explorar os Espíritos. Resta saber como eles receberiam a coisa, dado que tal especulação viesse a ser tentada. Diremos desde logo que nada se prestaria melhor ao charlatanismo e à trapaça do que semelhante ofício. Muito mais numerosos do que os falsos sonâmbulos, que já conhecemos, seriam os falsos médiuns e este simples fato constituiria fundado motivo de desconfiança. O desinteresse, ao contrário, é a mais concreta resposta que se pode dar aos que só veem trambiques nos fenômenos. Não há charlatanismo desinteressado. Assim, qual a intenção visada pelos que usassem de embuste sem proveito, sobretudo quando a honra os colocasse acima de toda suspeita?
Allan Kardec

O Livro dos Médiuns, 2ª parte, cap. XXVIII, item 304


Portanto, o sinal mais evidente de falsidade mediúnica é o do interesse qualquer do pseudomédium, seja esse interesse material ou mesmo a vaidade, o desejo de ser notado, reconhecido, ou seja, a ostentação da personalidade. Por isso, onde houver qualquer vantagem, ou ilusória vantagem, em favor daquele que se apresenta como portador da espiritualidade, aí está um grave vestígio de charlatanismo. Por outro lado, onde se encontra humildade e desprendimento do tarefeiro, nisso temos bom indício de boa prática mediúnica.

Faz bem lembrar também que a mediunidade não é um patrimônio do Espiritismo: ela existe dentro e fora da prática espírita — Fernando Ben, aliás, declara-se "não espírita", mas seguidor da "Filosofia de Fátima", uma nova doutrina orientada por sua mentora espiritual (o Espírito denominado Fátima) , inclusive por evocação do médium ou compulsoriamente por vontade de um Espírito que deseja se manifestar e encontre os meios de se manifestar através de qualquer pessoa dotada de percepções espirituais.


Consequências da pseudomediunidade

Toda vez que se levanta suspeita de embuste  mediúnico há prejuízo moral para o movimento espírita, porque o senso comum — que ignora a Doutrina Espírita — tende a generalizar a tudo e então põe em xeque a honestidade de todos os médiuns e até mesmo a validade do Espiritismo. Daí por que Allan Kardec nos exorta a denunciar a falsa mediunidade ou a usurpação desse dom. Desta feita, é sim uma baixa na divulgação da doutrina.

Já para o embusteiro — o falso médium — nós podemos visualizar duas gravíssimas consequências:
  1. Em mistificando os valores da espiritualidade, o falsificador afasta de si justamente a iniciação da verdadeira e boa mediunidade, pois os bons Espíritos repugnam tais atos;
  2. A falsa atividade mediúnica não deixa de ser um ensaio para o pior aspecto de sua instrumentação, que é a obsessão: aquele que usurpa os valores espirituais só tende a atrair o concurso de comparsas; e o que não falta é Espíritos obsessores sedentos por se divertir às custas da perturbação de pseudomédiuns interesseiros.
A criatividade artística levou às telas do cinema uma boa representação desse tipo de charlatanismo através do filme Ghost - do outro lado da vida (1990), em que uma falsa vidente (interpretada por Whoopi Goldberg) acaba por desenvolver capacidades mediúnicas, atraindo a companhia constante — e perturbadora — de Sam (Patrick Swayze), se bem que neste filme as coisas não foram tão ruins assim quanto pode ser na vida real. Que o diga quem tem o devido conhecimento de um processo obsessivo do tipo mais sério, como o de subjugação.


A falsa vidente no filme Ghost

Mediunidade realmente não é algo com o que se deva brincar.

Além de tudo, é revoltante saber que por trás de interesses pessoais se brinque com os sentimentos alheios, sentimentos esses dos mais tocantes, pois estamos falando de uma das maiores dores e sofrimentos que se possa experimentar neste mundo, que é a ideia de "perda" de uma pessoa amada, enquanto que muita gente realmente imagina que esta vida carnal seja a verdadeira existência: uma carta mediúnica verdadeira pode dar não só conforto, mas abrir a mente dos familiares a respeito da imortalidade da alma, da continuação dos laços de afeto e a esperança de um reencontro com os entes queridos; de outra forma, a frustração a partir de uma fraude mediúnica pode desesperar corações e jogar pessoas na senda da incredulidade acerca de qualquer ideia espiritual.

Veja também: "Sobre charlatões, milagres, varellas e outros efeitos colaterais do recurso mediúnico".

E não poderíamos deixar de recomendar a leitura de O Livro dos Médiuns (baixe aqui gratuitamente), tanto para aqueles que gostariam de servir à causa espiritual através da mediunidade, quanto para aqueles que apenas desejam conhecer melhor a natureza desse canal de intermediação entre a Terra e o mundo invisível.


quinta-feira, 3 de outubro de 2019

Live da PEADE sobre o curso "ECE - Estudo do Conceito de Espiritismo"


Nesta terça-feira, 8 de outubro, às 19h (hora de Brasília), a equipe da PEADE estará promovendo uma live pública pelo YouTube, para fazer uma análise sobre o curso ECE - Estudo do Conceito de Espiritismo, curso este já inteiramente disponível na nossa plataforma de estudos online,

Para fazer esse e outros cursos, inscreva-se na PEADE clicando aqui.

Lembrando que todos os cursos são absolutamente gratuitos.

Durante a live, será feito um balanço dos apontamentos compartilhados pelos inscritos que concluíram ou estão em andamento no referido curso, bem como uma análise sobre as estatísticas até então colhidas nas pesquisas inseridas nesse estudo. Entre as questões propostas, por exemplo, estão as perguntas:
  • Qual a diferença entre Espiritismo e Doutrina Espírita?
  • Kardecismo" pode ser usado como sinônimo de "Espiritismo"?
  • Podemos considerar "espíritas" os praticantes de cultos como os de umbanda e candomblé?

Faça o curso e participe da nossa live: terça, 8 de outubro, 19h.

Inscreva-se no canal Luz Espírita do YouTube para receber a notificação assim começar a transmissão, ou acesse a live pelo link:

Compartilhe e ajude a divulgar a nossa doutrina!

sexta-feira, 27 de setembro de 2019

Reportagem do Jornal da Band: "Espiritualidade é importante para a saúde do coração"


Em uma extraordinária reportagem, o Jornal da Band noticia a resolução da Sociedade Brasileira de Cardiologia acerca dos efeitos positivos da Espiritualidade para o bem-estar do mais vital órgão humano: o coração. 

A resolução então orienta os médicos cardiologistas a introduzirem esses conhecimentos a seus pacientes, observando resultados concretos demonstrados em estudos científicos. Essa recomendação se dirige, inclusive, a nível internacional.

É, sem dúvida, um avanço para a cooperação salutar e necessária entre a ciência e a espiritualidade, por isso, merece ser divulgada com entusiasmo. 

Note-se, porém, que aqui a definição de "espiritualidade" não se aplica exclusivamente à religião, que é uma expressão de espiritualidade. Acompanhe a reportagem para entender melhor tal conceito.




quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Série Poesia Espírita: "Vem e ajuda" de Auta de Souza (Espírito)


Décima edição da série de vídeos Poesia Espírita, desta vez com um poema do Espírito Auta de Souza"Vem e ajuda", contido na obra Auta de Souza, psicografado por Francisco Cândido Xavier e publicado pela Editora IDE. A declamação é uma gentileza de Donizete Romon, de Campinas-SP, colaborador do projeto PEADE.

E quem é esse Espírito conhecido no movimento, mas de fato pouco conhecido? Vamos saber mais sobre Auta de Souza:

Auta de Souza (1876-1901)

Auta de Souza foi uma poetiza potiguara, nascida em 12 de setembro de 1876  em Macaíba, região metropolitana de Natal - RN, cuja obra é caracterizada pelo estilo da segunda geração romântica (ultrarromântica, byroniana ou Mal do Século), autora de Horto. Escrevia poemas românticos com alguma influência simbolista, e de alto valor estético. Segundo Luís da Câmara Cascudo, é "a maior poetisa mística do Brasil".

A pretexto de tuberculoso, aos três anos ela ficou órfã da mãe (27 anos) e no ano seguinte do pai (aos 38 anos). Criada pela avó materna em Recife, onde foi alfabetizada por professores particulares aprendendo aprendeu Francês, Inglês, Literatura, Música e Desenho. Aos doze anos vivenciou nova tragédia: a morte de seu irmão mais novo num acidente com gás. Mais tarde, aos catorze anos, recebeu o diagnóstico de tuberculose, e teve que interromper seus estudos no colégio, mas deu prosseguimento à sua formação intelectual como autodidata. Foi professora de catecismo e escreveu reconhecidos versos religiosos. Apesar da doença. frequentava um clube que promovia reuniões onde os convidados recitavam poemas clássicos. Debilitou-se ainda mais depois de uma frustração Amorosa ao ser afastada, devido seu estado de saúde, do namorado, que pouco mais também seria vítima da tuberculose. A poetisa, então, encerrou seu primeiro livro de manuscritos, intitulado Dhálias, que mais tarde seria publicado sob o título de Horto.

Auta de Souza sucumbiu à tuberculoso em 7 de fevereiro de 1901, na capital do Rio Grande do Norte. Foi sepultada no cemitério do Alecrim, em Natal, mas em 1904 seus restos mortais foram transportados para o jazigo da família, na parede da Igreja de Nossa Senhora da Conceição, em Macaíba, sua cidade natal.

Veja a biografia de Auta de Souza na Wikipédia.

Auta de Souza, pela Editora IDE.

De retorno ao plano espiritual, tornou-se grande colaboradora da mensagem espírita e, especialmente pela psicografia de Chico Xavier, esse Espírito brinda a todos nós com versos tocantes, como "Vem e ajuda", que nos exorta à missão de nos evangelizar, conforme podemos conferir pela edição da nossa série.

Confira "Vem e ajuda" de Auta de Souza:




Saiba mais sobre a série na página oficial Poesia Espírita.


Gostou? Compartilhe e ajude a divulgar o Espiritismo.

Sala de Leitura: lançamento de "Esperança e fé", (Arthur Moura) Ivanir Severino da Silva


Temos a satisfação de anunciar a inclusão de uma obra na nossa Sala de Leitura: é o livro Esperança e fé, ditada pelo Espírito Arthur Moura e psicografado por Ivanir Severino da Silva, contendo ainda inúmeros desenhos mediúnicos recebidos pela médium Cleide Aparecida Alves. O livro foi organizado por Klauss Moura, que é o pai do "menino que voou".

Eis a descrição da obra, conforme o site do movimento Sementes do Moura:

Este não é apenas um livro de psicografias de cartas de um menino de 12 anos que partiu para o plano espiritual; mas, sim, é um verdadeiro diálogo entre o Céu e a Terra, mostrando que a vida não termina com a morte do corpo físico.

A presente obra, que contém dezenas de comunicações do Espírito Arthur Moura, psicografadas pelo médium Ivanir Severino da Silva, bem como inúmeros desenhos pictografados pela médium Cleide Aparecida Alves, tem como objetivo levar aos leitores justamente o que seu título intenciona: ESPERANÇA e FÉ.

O fascinante acompanhamento dos trabalhos assistenciais desenvolvidos por seus pais aqui na Terra, feito pelo menino Moura lá do Céu, bem como suas constantes participações diretas na vida familiar, no primeiro ano após seu desencarne, mostra, de forma cristalina, que a morte nada mais é do que a simples perda da roupagem corporal.

O mundo espiritual é tão real como o mundo físico, e ambos os planos coexistem e se interagem. Assim como as ondas de rádio e TV não podem ser ouvidas ou vistas, a menos que captadas por antenas específicas, o plano espiritual somente pode ser detectado por “receptáculos” especiais.

Neste livro, Arthur nos conta também um pouco sobre suas atividades na Colônia Espiritual Novos Horizontes, neste seu primeiro ano de regresso à verdadeira vida.


Como se vê, o próprio movimento Sementes do Moura é um desdobramento do que se poderia dizer "tragédia familiar" (a morte prematura do garoto Arthur Moura), sendo que, na verdade, toma feições de um grande "bem", no sentido que a "morte de uma semente" ocasionou a multiplicação de valores positivos, dentre os quais, o despertar da família para a realidade espiritual, servindo de exemplo de iluminação e consolo para tantos corações desfalecidos com a "perda" de um ente querido, especialmente quando se trata da morte de uma criança ou jovem, a quem se deposita tantas esperanças de vida.

Esperança e fé, é, portanto, um livro que faz jus ao título e há de ser útil para todos quantos se dedicarem à sua leitura.

Baixe Esperança e fé gratuitamente pela nossa Sala de Leitura.

Calendário Histórico Espírita: Herculano Pires e Jorge Rizini

Hoje, 25 de setembro, dentro do Calendário Histórico Espírita, destacamos os aniversários de nascimento de Herculano Pires e de Jorge Rizzini.

José Herculano Pires (1914-1979) é um nome bastante lembrado no meio espírita, claro, fazendo jus à sua grande obra. (ver biografia na Enciclopédia Espírita Online). Foi um um jornalista, filósofo, educador, escritor, tradutor e um dos mais memoráveis estudiosos e ativistas do Espiritismo de seu tempo. Foi autor de diversos livros de teor doutrinário espírita e de traduções de obras de Allan Kardec. Por seu discernimento e fidelidade às ideias kardecistas, foi definido pelo Espírito Emmanuel (o mentor espiritual de Chico Xavier) como "o melhor metro que já mediu Kardec". Em seus escritos, um dos enfoques mais salientes é o de crítica ao Movimento Espírita, com relação aos desvios doutrinários.

Jorge Rizzini (1924-2008) foi escritor, jornalista, radialista, músico, pesquisador e médium espírita muito respeitado. No meio espírita, destacou-se especialmente pela recepção de músicas mediúnicas de grande reconhecida qualidade rítmica, harmônica e também pela força doutrinária contida nas letras.

Conheça outros eventos relevantes para a História do Espiritismo na página Calendário Histórico Espírita.


UM POUCO MAIS SOBRE HERCULANO PIRES

Herculano Pires legou aos estudiosos espíritas uma vasta literatura, sobre os mais variados temas, mas essencialmente focando o caráter filosófico prático da amada Doutrina Espírita.

Confira os livros de Herculano Pires dispostos na nossa Sala de Leitura:


Confira a sua biografia na Enciclopédia Espírita Online:


Herculano Pires por Dercio Conceição:

Herculano Pires (José Herculano Pires, 25 de Setembro de 1.914 - 9 de Março de 1.979) foi jornalista, filósofo, educador, escritor e tradutor.
Destacou-se como um dos mais ativos divulgadores do Espiritismo no Brasil. O grande jornalista espírita, cuidadoso zelador da Doutrina Espírita, ficou conhecido como O Apóstolo de Kardec.
Representando o que existe de melhor na compreensão da Doutrina Espírita na luta contra dos que queriam desvirtuar os postulados imortais do Mestre de Lion também foi chamado por muitos de “O melhor metro que mediu Kardec”.
Herculano Pires foi filho do farmacêutico José Pires Corrêa e de sua esposa, a pianista Bonina Amaral Simonetti Pires. Fez os seus primeiros estudos em Avaré, Itaí e Cerqueira César.
Desde cedo revelou vocação literária, e 9 anos de idade compôs seu primeiro soneto, um decassílabo sobre o Largo São João, da sua cidade natal. Aos 16 anos publicou o seu primeiro livro, Sonhos Azuis (contos) e, aos 18 anos, o segundo, Coração (poemas livres e sonetos).
Colaborou em jornais e revistas da época, tanto de São Paulo quanto do Rio de Janeiro. Teve vários contos publicados, com ilustrações, na Revista Artística do Interior, que promoveu dois concursos literários, um de poemas, pela sede, em Cerqueira César, e outro de contos, pela Seção de Sorocaba.
Em 1.940 transferiu-se para Marília, onde adquiriu o jornal Diário Paulista, que dirigiu por seis anos. Com José Geraldo Vieira, Zoroastro Gouveia, Osório Alves de Castro, Nichemja Sigal, Anthol Rosenfeld e outros amigos promoveu, através do jornal, um movimento literário na cidade e publicou Estradas e Ruas (poemas) que Érico Veríssimo e Sérgio Milliet comentaram favoravelmente.
Em 1.946 mudou-se para São Paulo, onde publicou seu primeiro romance, O Caminho do Meio, que mereceu críticas elogiosas de Afonso Schmidt, Geraldo Vieira e Wilson Martins.
Em sua carreira profissional foi repórter, redator, secretário de governo, cronista parlamentar e crítico literário dos Diários Associados, o gigantesco conglomerado de comunicações formado por jornais, emissoras de rádio e TV comandado pelo lendário Assis Chateaubriand, onde exerceu diversas funções por cerca de trinta anos.
Graduado em Filosofia pela Universidade de São Paulo, publicou uma tese existencial: O Ser e a Serenidade.
No livro Expoentes da Codificação Espírita vê-se que Herculano Pires é autor de oito dezenas de livros, distribuídos por filosofia, ensaios, histórias, psicologia, parapsicologia e Espiritismo, alguns em parceria com o médium Francisco Cândido Xavier, e é considerado um dos autores mais críticos dentro do Movimento Espírita.
A sua linha de pensamento era forte e racional, combatendo os desvios e mistificações, sendo a maior característica do conjunto de suas obras a luta por demonstrar a consistência do pensamento espírita, além de defender a valorização dos aspectos crítico e investigativo originalmente propostos por Kardec.
Em seus ensaios nota-se a preocupação em combater interpretações e traduções deturpadas das obras de Kardec, inclusive aquelas que surgiram no seio do Movimento Espírita brasileiro ao longo do Século XX.
Uma das deturpações combatidas por Herculano foi o Roustainguismo, que se materializava através de uma corrente de ideias embasadas na obra "Os Quatro Evangelhos", de Jean Baptiste Roustaing, advogado francês contemporâneo de Allan Kardec.
Tal obra foi criticada pelo codificador da Doutrina Espírita, mas é aceita por alguns espíritas, ainda que a maioria lhe seja indiferente e alguns outros lhe rejeitem. No Brasil o Roustainguismo provocou graves disputas, desavenças e conflitos, chegando mesmo a colocar em risco a união das lideranças espíritas em torno da Federação Espírita Brasileira.
Herculano defendia o conceito de pureza doutrinária, segundo o qual era preciso preservar a doutrina de todo tipo de influência mística e esotérica.
Em monografias filosóficas, a exemplo de Introdução à Filosofia Espírita, propõe-se a esclarecer a contribuição do Espiritismo para o desenvolvimento da Filosofia, em especial no tocante ao sentido da existência humana.
Contrapõe-se frontalmente ao existencialismo materialista e ao Niilismo, uma doutrina que tudo reduz ao nada, ao completo aniquilamento, à não existência, considerando que as crenças e os valores tradicionais são infundados e que não há qualquer sentido ou utilidade na existência.
Atualmente a maioria das obras de Herculano é publicada pela Editora Paideia (da Fundação Maria Virgínia e J. Herculano Pires), que ele mesmo fundou na Década de 1970 para publicar suas obras.
A sua tradução dos livros de Kardec tem sido editada por várias editoras, a exemplo da Livraria Allan Kardec Editora (LAKE), da Editora Argentina e da Federação Espírita do Estado de São Paulo (FEESP).
Assim proclamou Herculano Pires advertindo os leitores do futuro:
1. O Espiritismo é uma questão de bom-senso, como escreveu Kardec, mas as criaturas insensatas estão por toda parte. Precisamos manter constante vigilância em nossos estudos para não cairmos nas mistificações que nos levam a deturpar e aviltar a Doutrina Espírita. Bastaria um pouco de humildade para vermos, como ensina Kardec, a ponta da orelha do mistificador, que sempre aparece nos textos mentirosos ou ilusórios. A mistificação alimenta-se da vaidade e pretensão, desse orgulho infantil a que não escapam nem mesmo pessoas esclarecidas. Muitas vezes, pelo contrário, as pessoas lúcidas não passam de analfabetos ilustres, mais sujeitas, por sua vaidade pueril, à mistificação, do que as pessoas humildes, mas dotadas de bom-senso. Kardec tem razão ao afirmar que o bom-senso e a humildade são preservativos da mistificação. Nenhum espírito nos mistifica se nós mesmos já não estivermos nos mistificando por vontade própria. (Fonte: Curso Dinâmico de Espiritismo).
2. O Espiritismo aprofunda o conhecimento da Realidade Universal e não pretende modificar o Mundo em que vivemos através de mudanças superficiais de estruturas. Essa é a posição dos homens diante dos desequilíbrios e injustiças sociais. Mas o homem-espírita vê mais longe e mais fundo, buscando as causas dos efeitos visíveis. Se queremos apagar uma lâmpada elétrica não adianta assoprá-la, pois é necessário apertar a chave que detém o fluxo de eletricidade. Se queremos mudar a Sociedade, não adianta modificar a sua estrutura feita pelos homens, mas modificar os homens que modificam as estruturas sociais. O homem egoísta produz o mundo egoísta; já o homem altruísta produzirá o mundo generoso, bom e belo que todos desejamos. Não podemos fazer um bom plantio com más sementes. Temos de melhorar as sementes. (Fontes: Curso Dinâmico de Espiritismo).
3. O Espiritismo é uma doutrina de bom senso, de equilíbrio, de esclarecimento positivo dos problemas espirituais, e não de hipóteses sem base ou de suposições imaginosas. (Fonte: O Zelador da Doutrina Espírita).

Herculano sofreu um infarto em sua casa na noite de 9 de Março de 1.979. Foi levado ao Hospital São Paulo, mas os médicos não conseguiram reanimá-lo, falecendo logo em seguida naquele local.

Trecho extraído de uma entrevista com sua esposa, Dona Maria Virgínia (texto completo disponível no link indicado abaixo):
"Quando Herculano desencarnou nós estávamos fazendo uma reunião mediúnica na garagem da nossa casa, e ele estava no quarto. Fui informada de que ele estava passando mal. Liguei para minha filha mais nova para vir até em casa e trazer seu vizinho, um amigo nosso que era médico.
O Herculano foi internado no hospital São e lá desencarnou. Porém, o pessoal do grupo que estava na reunião mediúnica não sabia que ele havia desencarnado.
Quando cheguei do hospital para apanhar algumas roupas dele, minha irmã me disse: Virgínia, o Herculano acabou de dar uma mensagem.
Eu fiquei louca da vida e respondi: Isso é um absurdo, ele nem bem morreu e já está dando mensagem. Jogue isso fora! (risos).
Depois de algumas semanas meu filho Herculaninho mostrou a mensagem que ele tinha recebido do pai naquela noite.
Assim dizia a mensagem: Sustentem em apoio vibratório a casa; amparem os livros da codificação, e eu em espírito e memória, com a ajuda dos amigos espirituais, estarei sempre com vocês no apostolado de pregar e servir a doutrina dos espíritos, como o mestre nos ensinou.
Depois falou um espírito que não deu o nome, mais adiante uma parte da mensagem que era para mim, e no final ele dizia: Menos choro e mais café"! (risos)
Nota de esclarecimento: A referência ao "mais café" se deve ao fato de que nas reuniões mediúnicas realizadas na garagem era comum os trabalhos estenderem-se até altas horas da madrugada. Havia um engenheiro de Santos que perdera o filho, e tinha uma sede enorme de conhecer o Espiritismo. Ele chegava às seis horas da tarde com a esposa, e só saía no dia seguinte, depois do café manhã.

Dicas de vídeos:

Herculano Pires - A Missão do Espiritismo - Palestra gravada em 1.956

Entrevista rara de Chico Xavier a Herculano Pires (1972)

Assista ao documentário:
Fatos sobre a vida de J. Herculano Pires

Fatos sobre a vida do professor José Herculano Pires, narrados por familiares e amigos. A organização dos depoimentos e narrativas do vídeo foi feita pelo grupo de colaboradores da Videoteca Espírita PAF de São Carlos (SP), e as gravações foram feitas no Centro Espírita Cairbar Schutel, de São Paulo (SP). Esse vídeo faz parte do acervo da Fundação Maria Virgínia e J. Herculano Pires. Veja outros vídeos em http://www.herculanopires.org.br
Dércio Conceição

segunda-feira, 23 de setembro de 2019

Campanha Setembro Amarelo: por mais flores e vivacidade

Começou mais uma primaveraPrimavera é a estação cujo símbolo maior é a flor. As flores têm diversos significados e aplicações nas mais variadas culturas. A rosa vermelha lembra paixão; o girassol nos remete à energia e a alegria da vida; a íris sibirica é dita a flor da sabedoria, e assim por diante.

Ah, a primavera! Símbolo de renovação, do desabrochar, depois do frio invernal...

O mês inicial da primavera, setembro, é também o da campanha de valorização da vida, com atenção especial para a prevenção do suicídio: é o mês da Campanha Setembro Amarelo (saiba mais aqui).


Amarelo é, no semáforo, sinal de alerta; e no trânsito da vida, devemos estar atentos aos sinais de alerta para a terrível tentação de uma "fuga fácil" para as dificuldades da nossa existência. Por isso, nunca nos cansaremos de promover essa campanha e convidamos a todos a sempre ficarem atentos, pois mais próximo do que pensamos, entre pessoas muito queridas nossas, a ideia da autodestruição (ilusória, claro, porque somos Espíritos imortais) pode estar nos rondando.

E uma das formas de nos atentarmos para essa problemática é tomando bons exemplos, dentre os quais destacamos a narração do drama vivido por Camilo Cândido Botelho, pseudônimo adotado por Camilo Castelo Branco, célebre escritor português, suicida em regeneração, conforme ele, em Espírito, conta pela psicografia da médium espírita Yvonne do Amaral Pereira, no clássico Memórias de um Suicida, editado pela Federação Espírita Brasileira (comprar livro).


Certamente, o Espiritismo — melhor do que qualquer outra doutrina — muito tem a nos ajudar especialmente nessa temática, e a obra Memórias de um Suicida é uma das melhores referências para o assunto, porque nos arrasta emocionalmente para a problemática e para nos arrebata a um entendimento racional das suas consequências para, por fim, conforme a exemplificação pessoal do Espírito que ditou essa história, semear em nós o ideal de regeneração.

Por isso, aproveitamos a ocasião para sugerir a leitura do referido livro ou a audiência da sua radionovela, que aqui compartilhamos:


Semeemos essa ideia, para que menos flores sejam gastas para enfeitar catacumbas, mas, ao invés disso, tenhamos primaveras mais floridas e cheias de vivacidade!

Contamos com teu apoio na divulgação.

domingo, 22 de setembro de 2019

Calendário Histórico Espírita: aniversário de nascimento de Cairbar Schutel


Comemoramos hoje mais uma aniversário de nascimento de Cairbar Schutel, um dos mais notáveis vultos da História do Espiritismo, no Brasil e no mundo.

Veja o a sinopse de Cairbar Schutel na Enciclopédia Espírita Online:
Cairbar Schutel (Rio de Janeiro, 22 de setembro de 1868 - Matão, SP. 30 de janeiro de 1938) foi um farmacêutico, político e renomado jornalista, lembrado pelo Movimento Espírita como um dos grandes divulgadores do Espiritismo do começo do século XX. Escreveu reconhecidos livros espíritas e foi fundador de dois importantes veículos de comunicação doutrinária: o jornal O Clarim e a Revista Internacional de Espiritismo, pelo que é conhecido como "O bandeirante do Espiritismo".
Clique a aqui para acessar o verbete completo.

Saiba mais sobre o "Bandeirante do Espiritismo" pelo documentário a seguir:


Conheça uma das obras de Cairbar Schutel disponível em nossa Sala de Leitura: A Vida no Outro Mundo, um clássico da literatura espírita publicado pela Editora O Clarim, aliás, editora fundada pelo próprio Schutel exclusivamente para propagar as luzes da codificação kardequiana.

A VIDA NO OUTRO MUNDOA VIDA NO OUTRO MUNDO
Cairbar Schutel
Como é a vida no além?
O senso comum, entre os que creem na sobrevivência espiritual pós-morte, julga um cotidiano abstrato, vago, como que nada houvesse que fazer no infinito que não contemplar as maravilhas dos céus e louvar ao Criador.
O nobre escritor Caibar Schutel foi pesquisar sobre esse tema e fez um apanhado de seu trabalho nesse livro, citando dados interessantes colhidos em diversas fontes.
Eis aqui a síntese dessa pesquisa e uma aula prévia de como poderemos encontrar a vida no outro mundo.



Clique aqui para baixar o livro em PDF.

Cairbar Schutel é, portanto, um nome de uma biografia extraordinária que merece ser lembrado com todo o carinho.

Ver mais datas históricas e eventos comemorativos relacionados ao Espiritismo na página Calendário Histórico Espírita.

sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Novo verbete da Enciclopédia Espírita Online: "Obras Básicas do Espiritismo"


Temos um novo verbete na nossa Enciclopédia Espírita Online: "Obras Básicas do Espiritismo", que diz respeito ao conjunto literário de autoria de Allan Kardec que forma a Codificação da Doutrina Espírita.

Veja a sinopse do verbete:
Obras Básicas do Espiritismo, ou Obras Básicas da Codificação Espírita são o conjunto do trabalho literário de autoria de Allan Kardec, o codificador do Espiritismo, contendo assim “a base” da Doutrina dos Espíritos, quer dizer, os fundamentos da Revelação Espírita. No contexto de Kardec ser o interpretador e sistematizador do ensinamento dos Espíritos superiores que, sob a liderança do Espírito Verdade, nele concentraram a Terceira Revelação, as obras do codificador são consideradas então como a Codificação do Espiritismo, no sentido bibliografia fundamental da síntese doutrinária.

Clique aqui e confira o verbete "Obras Básicas do Espiritismo" na íntegra.




terça-feira, 17 de setembro de 2019

Em cartaz "Divaldo: O Mensageiro da Paz"


Mais um filme com temática espírita entra em cartaz nos cinemas nacionais: Divaldo: O Mensageiro da Paz, a cinebiografia do médium Divaldo Pereira Franco, direção de Clóvis Mello e produzido em parceria entre a Fox Filme do Brasil, Cine e Estação da Luz Filmes.

Infelizmente a produtora não nos permite postar aqui o trailer oficial do filme, mas o vídeo está disponível no YouTube pelo seguinte link:

Ver biografia de Divaldo Franco na Enciclopédia Espírita Online.

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

Série Poesia Espírita: "Ide e Pregai" do Espírito Cruz e Souza


Continuando a série de vídeos Poesia Espírita, trazemos nesta décima segunda edição um poema do Espírito Cruz e Souza"Ide e Pregai", contido na obra Parnaso de Além-Túmulo, editado pela Editora FEB, psicografado por Francisco Cândido Xavier. A declamação é uma gentileza de Patrícia Bastos, do Rio de Janeiro, colaboradora do projeto PEADE.

O poema da vez é uma exortação a todos nós espíritas: "Dai dessa paz a toda criatura, sobre a qual vossa vida já descansa.". Sem dúvidas, nós, que tanto conforto e iluminação temos recebido de nossa amada doutrina, somos convocados a compartilhar dessas luzes com os nossos irmãos "famintos e torturados", como bem assinala o poeta.


João da Cruz e Sousa (1861-1898) foi um poeta brasileiro, lembrado como um dos precursores locais do simbolismo (escola literária caracterizada por um romantismo recheado de subjetividade, temas transcendentais e imagens, símbolos surreais, em contraste com o realismo). Nasceu em Nossa Senhora do Desterro, hoje Florianópolis, capital do Estado de Santa Catarina e recebeu a alcunha de Dante Negro ou Cisne Negro, pela sua cor; segundo o sociólogo e crítico literário Antonio Candido, Cruz e Sousa foi o "único escritor eminente de pura raça negra na literatura brasileira, onde são numerosos os mestiços". Foi um poeta de sucesso; teve três obras publicadas em vida: Tropos e Fantasias (1885), Bronquéis (1893) e Missal (1893); outras seis obras foram publicadas postumamente. Em Florianópolis, onde Cruz e Sousa nasceu, o antigo Palácio do Governo recebeu o nome do poeta e lá se encontram-se seus restos mortais: é o Palácio Cruz e Souza, prédio eclético que fica próximo a Praça XV de Novembro e é um ponto turístico da cidade. Um grande mural com a imagem do poeta fica no prédio vizinho ao palácio.

Do plano espiritual, pela mediunidade de Chico Xavier, Cruz e Souza vem nos brindar com seus versos repletos de energia, como é o caso de "Ide e Pregai", que você pode conferir pelo player adiante:


Saiba mais sobre a série na página oficial Poesia Espírita.

Gostou? Compartilhe e ajude a divulgar o Espiritismo.