quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

Enciclopédia Espírita Online: lançamento do verbete "Daniel Dunglas Home"


Nossa Enciclopédia Espírita Online recebe a inclusão do verbete referente àquele que foi o maior médium de seu tempo, conhecido como "o homem que flutuava", por quem Allan Kardec conservou grande respeito: estamos falando do célebre médium escocês Daniel Dunglas Home.

Veja a sinopse do verbete:
Daniel Dunglas Home (Currie, Escócia, 20 de março de 1833 – Paris, França, 21 de junho de 1886) foi um médium e divulgador do movimento Espiritualismo Moderno; foi o mais renomado médium de seu tempo, célebre pela produção de extraordinárias manifestações, dentre as quais levitação de seu próprio corpo, telecinese, psicofonia, etc. Home percorreu os Estados Unidos da América e a Europa fazendo demonstrações públicas de suas capacidades mediúnicas e propagando a imortalidade da alma, que ele abraçou como a causa maior da sua vida, um desígnio espiritual, pelo que não admitia cobrar pelas sessões a que participava, embora tivesse aceitado doações, presentes e praticamente vivido toda a vida como hóspede de amigos, simpatizantes da sua causa espiritualista e curiosos experimentadores da fenomenologia espiritual que o convidavam a troco de assistir aos seus fenômenos.

Conheça a história de um dos mais importantes personagens do Espiritualismo Moderno, o movimento que planeou a chegada da Doutrina Espírita.

Leia o verbete completo na Enciclopédia Espírita Online.

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

Campanha "Natal com Jesus"



O Portal Luz Espírita está levantando a campanha para a promoção do verdadeiro significado das festividades natalinas, que é exatamente a comemoração do nascimento de Jesus de Nazaré, o Cristo, Messias enviado por Deus para renovar a Humanidade.

Não é, portanto, nenhuma inovação, mas um resgate, uma vez que o sentido desta data tão sublime tem sido deturpada, redirecionando seu significado para propósitos materialistas, ornados com símbolos e slogans totalmente desconexos com esse maravilhoso momento de excelsitude espiritualista.

Clique aqui e saiba mais sobre a campanha e como participar!

domingo, 1 de dezembro de 2019

'Disputa' por Chico Xavier gera impasse no Congresso e saída inspirada em médium

O site do jornal Folha de São Paulo publica neste 1 de dezembro reportagem que diz respeito ao Movimento Espírita: 'Disputa' por Chico Xavier gera impasse no Congresso e saída inspirada em médium, cujo teor é o "desentendimento" entre dois congressistas acerca de uma pretendida homenagem o saudoso médium espírita Francisco Cândido Xavier através de projeto de lei para definir a "capital nacional da mediunidade".

Chico Xavier (Juan Esteves/Folhapress)
No centro da "discussão", o declarado espírita Eduardo Girão, senador pelo Ceará, e o dito simpatizante espírita Franco Cartafina, deputado federal pelo Estado de Minas Gerais. Quase que ao mesmo tempo, cada qual propôs um projeto-lei para criar um título de "capital nacional da mediunidade", tendo como referência a pessoa de Chico Xavier. Coincidência?

O problema é que os dois divergiram sobre o local a ser contemplado pelo tal titulo: Girão indicou Pedro Leopoldo, a cidade natal de Chico, enquanto Cartafina propôs Uberaba, onde o médium fixou residência e produziu a maior parte da sua magnífica obra mediúnica.

Após conversas, o "acordo" sobre as homenagens parece selado: Cartafina diz aceitar aderir ao projeto de Girão, contemplando Pedro Leopoldo, mas, em compensação, planeja um novo título honroso, para não deixar os uberabenses na mão: a ideia é consagrar Uberaba a "cidade nacional da psicografia".


Bijuterias

Longe de nós desdenharmos a "boa intenção" dos nobres congressistas em render homenagens ao maior médium de que temos conhecimento e, paralelamente, a Doutrina Espírita; porém, não nos animamos muito com essas condecorações, no sentido de que, por decreto, o processo de espiritualização das referidas localidades seja acelerada. Enfim, tudo pode não passar de bijuteria.

Por outro lado, não há mais sério de que nos queixarmos desse intento: é um ato lícito, não indecoroso, nada prejudicial, etc. Portanto, se não tem grande utilidade, está isento de maior preocupação: se não agrada, pelo menos não nos deve preocupar.