quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

OUTRO CONTO DE NATAL

PRESÉPIO NA PRAÇA CHICO XAVIER, EM PEDRO LEOPOLDO-MG


OUTRO CONTO DE NATAL
  
NATAL ! .....Estrelas ao alto
São os pontos de luz e arminho...
Caminhando esfarrapado,
Tropeça Joãozinho.


Dez anos de idade apenas,
Rolando ao calçado roto,
Tem febre, não sabe o rumo
Para o descanso no esgoto


“Hosanas! Jesus nasceu!...”
Cantam vozes cristalinas,
Guirlandas pedem no ar,
Brilham bolas nas vitrinas.


Muitos carros vão passando,
Muita gente vai e vem,
Ele, no entanto, vai só
Sem atenção de ninguém.


Sente frio, sede e fome...
Vê-se tonto em tanta luz...
Um grupo passa exaltando:
- “Louvado seja Jesus!...”


Por fim, alcança uma casa,
Bate a porta e pede pão,
O dono agride: - “ Cai fora! ...
Tão pequenino e ladrão !...


Tremendo, afasta-se e pede
Um copo d’água num bar,
Um jovem grita: - “Chicote
É tudo o que vou te dar ...”


Arrasta-se amedrontado
Prossegue gemendo em vão,
Até que desanimado
Joãozinho tomba no chão.


Agora sente-se em paz,
Repousa e pensa, porque
Caiu num recanto escuro,
Quem passa não mais o vê.


O pequeno chora e conta,
Na mágoa que o desconforta,
O tempo de solidão
Depois da mãezinha morta.


Quantas noites na calçada!...
O menino não se esquece...
Mãe morta, casa fechada,
E mais ninguém que o quisesse...


Quantos dias de penúria
Atravessara a sofrer?
Quanto tempo de orfandade?
Não saberia dizer...


Não desconhece, no entanto,
Que sofre e que está sozinho...
Por isso mesmo, cansado,
Recorda e chora baixinho...


Natal vibrando!...Não mais
A casa de antigamente...
Quem viria agora vê-lo?
Quem lhe daria um presente?...


Nisso, um moço de olhar brando
Surgiu e lhe disse: - “João,
Escute! Que faz você
Aí deitado no chão?...”


Ele responde: “Ah senhor,
O Natal é hoje e eu...
Eu choro sentindo a falta
De minha mãe que morreu...”


Sentou-se o recém chegado
E, ao retirá-lo do pó,
Acrescentou com bondade:
- “Mas você não está só...”


“Que espera hoje? – indagou”.
A voz serena e invulgar –
“ Um companheiro, um cãozinho,
Um carro para brincar?”


“Deseja uma pipa grande
Ou quer um grande balão?
Estimaria outra coisa?
Que quer você? Fale João...”


O pequeno esclareceu
De olhar triste e fatigado:
- “Ah ! senhor, eu só queria
Ter minha mãe ao meu lado!...”


O visitante exclamou
De expressão mais doce e bela:
- “Pois vou levá-lo, Joãozinho,
A fim de viver com ela!...


Gritou João abrindo os braços,
Magros braços, seminus:
- “Mas os senhor quem é mesmo?...”
E o moço disse: - “Jesus!...”


Naquela nesga de rua
Esquecida e esburacada,
Brilhava um clarão divino
Na sombra da madrugada.


Viu-se João num colo amigo,
Tudo paz em derredor...
A Terra ficava longe,
O Céu ficava maior!...


As vozes no firmamento
Soavam plenas de amor:
- “Hosanas! Jesus nasceu!...”.
Louvado seja o Senhor!...”


No coração do menino
Da angustia nada mais resta,
Sob o fulgor da esperança,
Tudo alegria de festa!...


De manhã um verdureiro,
Ao fitá-lo em desconforto,
Pôs-se a chamá-lo de leve,
Mas Joãozinho estava morto.

"OS DOIS MAIORES AMORES"
Pelo Espírito: Francisca Clotilde
Francisco Cândido Xavier

Nenhum comentário:

Postar um comentário