quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

Desencarnação do Pe. Quevedo, "O Caçador de Enigmas"


Desencarnou nesta data o famoso Padre Quevedo, velho conhecido pelo bordão "isso non ecziste" e cujas teorias para explicar, do seu ponto de vista, os fenômenos mediúnicos e efeitos paranormais eram bastante requisitadas por católicos e outros mais no intuito de rechaçar o Espiritismo.

Oscar Gonzalez Quevedo Bruzan, o Padre Quevedo, tinha 88 anos e morreu na madrugada desta quarta-feira em Belo Horizonte. A assessoria de imprensa da Casa Jesuíta não divulgou a causa da morte nem o local do velório, alegando que a cerimônia será restrita a amigos e parentes. O enterro está marcado para esta quinta-feira (10), às 11h, no Cemitério Bosque da Esperança.

Padre Quevedo morava desde 2012 na residência Irmão Luciano Brandão, no Bairro Planalto, na capital mineira, onde ficam jesuítas idosos e com problemas de saúde.

Jesuíta espanhol radicado no Brasil, aparecia no programa Fantástico (Rede Globo) para desvendar fenômenos da natureza e desmascarar charlatões. Segundo o site Memória Globo, a ideia do quadro surgiu em agosto de 1999, quando a produção do programa decidiu colocar no ar um quadro que seguisse a linha de Mister M, sucesso de audiência naquele ano. Após negociações, Padre Quevedo aceitou o convite, dizendo que não interpretaria nenhum personagem, já que era um estudioso com a missão de “desmistificar essa mentalidade mágica que envolve os fenômenos parapsicológicos”.

O Caçador de Enigmas foi ao ar entre janeiro e maio do ano 2000, com apresentação de Cid Moreira que, diante de um fundo preto, parcialmente iluminado, apresentava o assunto do dia em clima de mistério: “esse é um caso para padre Quevedo.”


No entanto, o referido quadro sofreu forte abalo a partir de quando o sacerdote se defrontou com o caso do "Museu das Almas do Purgatório", descoberto pelo pesquisador espírita Clóvis Nunes. Padre Quevedo não conseguiu refutar as evidências concretíssimas apresentadas e então pediu afastamento da produção daquela série (veja aqui).

VAMPIRISMOPe. Quevedo também é citado em um da literatura clássico espírita: em Vampirismo, o filósofo José Herculano Pires, isso já na década de 1970, já traçava o perfil daquele investigador jesuíta e suas estapafúrdias teses para tentar derrubar as evidências da fenomenologia espiritual, como conferimos, nesse trecho da obra:
"Nas ilustrações fotográficas da revista GENTE aparece um expert de Espiritismo, Monsenhor Ernesto Pizoni e um expert em Parapsicologia, o Padre Quevedo. Ambos pretendem explicar o fenômeno segundo a Igreja. A qualidade de expert em qualquer assunto exige conhecimento profundo do mesmo e isenção de ânimo, sem nenhum condicionamento mental e emocional, nenhuma dependência de pressupostos estabelecidos por uma dogmática oposta ao problema. A posição do clero católico no caso é universalmente e ferozmente contrária ao Espiritismo. Cientificamente a posição de ambos é, portanto, inaceitável. Não conhecemos Monsenhor Pizoni, mas, por mais honesto e digno que seja, sua opinião é sempre a de um homem de fé, de uma determinada fé suficientemente conhecida em todo o mundo, não tendo por tanto o menor valor científico. Quanto ao Padre Quevedo, que conhecemos bem, é um campeão feroz e altamente agressivo da luta contra o Espiritismo, que se esforça para transformar a Parapsicologia em arma dessa guerra inglória. Nenhum dos dois sacerdotes tem condições para se apresentar como expert num problema que só podem conhecer através de preconceitos enraizados na formação fideísta que tiveram. Numa apreciação ética, a posição de ambos corresponde cientificamente a um pecado mortal, caso houvesse nas Ciências uma escala de pecados."
José Herculano Pires, em Vampirismo - cap. "Casos atuais de endport"
Padre Quevedo foi um estudioso fanático, mas autêntico com sua fé. Estreitou sua visão "científica" por tomar os dogmas católicos como o seu nível máximo de verdade e a essa verdade foi fiel até o fim da vida.

Como a verdade chega para todos, o religioso começa então, agora na espiritualidade,  a ascender a patamares mais altos da verdade, cabendo a nós lhe enviar vibrações fraternas, certos de que, pelo vigor que dispunha, nosso irmão terá oportunidades de regressar à Terra e, com a mesma disposição que demonstrou em combater a Doutrina Espírita, poderá ser um grande missionário da nova Era, defendendo e propagando os valores superiores.

Fonte: G1

2 comentários:

  1. AGORA ELE VAI ENCONTRAR A REALIDADE, MAIS CERTAMENTE AINDA PERMANECERA TEIMANDO POR MUITO TEMPO QUE ESSAS COISAS DE ESPÍRITOS NÃO EXISTE, PIOR PRA ELE QUERENDO OU NÃO QUERENDO A VIDA ESPIRITUAL É UMA REALIDADE.

    ResponderExcluir
  2. Ele deve dar um trabalho danado, pois as suas convicções não muda nem mesmo após a morte, teimosia e algo enraizado do ser humano. Na obra de André Luís narra-se alguns casos de espíritos insistentes em no que acreditavam, mesmo diante das evidências. Não se perde tempo com teimosos, há a longa eternidade para mudar de opinião e enxergar os equívocos.

    ResponderExcluir